Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
7

Pais e alunos manifestam-se nas Caldas da Rainha

Protesto contra redução de turmas em colégio.
21 de Maio de 2016 às 08:04
Protesto teve início por iniciativa da comissão de pais
Protesto teve início por iniciativa da comissão de pais FOTO: Carlos Barroso / Correio Manhã
Cerca de duas centenas e meia de professores, pais e alunos de dois colégios das Caldas das Rainha, manifestaram-se este sábado em frente à câmara contra a não atribuição de financiamento para novas turmas em contrato de associação.

O protesto teve início por iniciativa da comissão de pais, após professores, alunos e pais terem sido informados de que o Colégio Rainha D. Leonor (CRDL), nas Caldas da Rainha, está entre aqueles que não têm financiamento para qualquer turma de início de ciclo.

"Fomos informados de que não vamos poder abrir nenhuma turma de 5.º, 7.º e 10.º ano" explicou à agência Lusa Sandra Santos, diretora pedagógica da escola que, sublinhou, "sem estes 571 alunos [os que não entram e os que terminam o ciclo e não se podem matricular] não tem viabilidade".

O anúncio foi recebido pelos pais e alunos com indignação, o que transformou a marcha numa concentração em frente à câmara municipal, onde exigiram ser recebidos pelo presidente da câmara das Caldas da Rainha.

Os pais protestam por não terem sido ouvidos pelo Governo antes de ser anunciado o número de turmas financiadas e temem "pelo que vai acontecer nas escolas públicas que terão que receber os alunos", e que poderão "ficar sobrelotadas" face ao risco de "com este fechar também o Colégio S. Cristóvão (CSC)", na freguesia de A-dos-Francos, a cerca de 20 quilómetros.

No caso do CSC, propriedade do mesmo grupo que detém o CRDL, o estado manteve o financiamento das seis novas turmas previstas, mas "os donos podem entender não ser viável manter apenas um dos colégios", afirmou Paula Salvador, presidente da Associação de Pais.

Nesse cenário, a escolas públicas do concelho teriam que aceitar 1.500 alunos que frequentam os dois estabelecimentos com contrato de associação.

Presidente da autarquia discorda "da forma como o processo foi conduzido"

No final de uma reunião com os pais, que se prolongou até às 00h30, o presidente da câmara, Fernando Tinta Ferreira, afirmou aos jornalistas discordar "da forma como o processo foi conduzido", defendendo que a redução do financiamento "deveria ser gradual".

O autarca manifestou ainda "preocupação" com os impactos do um eventual fecho do colégio, sustentando que "a escola pública não tem capacidade para receber em condições as atuais 35 turmas" do CRDL.

Aos jornalistas disse ainda já ter pedido uma audiência ao Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, para solicitar "que a rede possa ser ajustada".

O Governo anunciou que vai financiar 273 turmas em início de ciclo em colégios privados, no próximo ano letivo, de acordo com um aviso de abertura de concurso para extensão dos contratos de associação em vigor, hoje publicado.

O aviso foi publicado ao final da tarde, na página na Internet da Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE), e especifica o número de turmas de início de ciclo, por cada colégio, autorizadas a abrir e a receber financiamento do Estado, em 2016-2017.
Caldas da Rainha contrato de associação manifestação
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)