Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
8

Prémio aos profissionais de saúde pode deixar de fora maioria dos médicos, diz FNAM

Federação Nacional dos Médicos considera que proposta não é "clara quanto à identificação dos profissionais".
Lusa 2 de Julho de 2020 às 16:02
Médicos no combate ao coronavírus
Médicos no combate ao coronavírus FOTO: Getty Images
A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) alertou hoje que o prémio aos profissionais de saúde, aprovado na quarta-feira, "não compensa o risco" e "pode deixar de fora a maioria dos médicos" que participam no combate à pandemia de covid-19.

Em comunicado, a FNAM lembra que a proposta do PSD, que foi aprovada em sede de especialidade do Orçamento Suplementar, visa todos os profissionais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) que durante o estado de emergência tenham praticado, de forma continuada e relevante, atos diretamente relacionados com suspeitos e doentes infetados por covid-19, não sendo, contudo, "clara quanto à identificação dos profissionais" que serão abrangidos pelo prémio.

A este propósito, a FNAM sublinha que todos os profissionais, independentemente do local onde exercem funções (centros de saúde, urgências hospitalares, consulta, internamento ou, como a Saúde Pública, na comunidade), mesmo que em instituições ou unidades não exclusivamente dedicadas à covid-19, "têm tido um papel crucial na resposta à pandemia", não só assegurando o atendimento a doentes com coronavírus, como também mantendo a prestação de cuidados a todos os restantes utentes.

"O exercício da profissão médica acarreta riscos significativos, que não estão limitados à pandemia por covid-19. No contexto da atual pandemia, para além da maior penosidade do trabalho, os médicos têm sido expostos a um elevado risco de infeção por SARS-CoV-2. Em consequência, centenas de médicos já foram infetados e lamentamos a morte recente de um colega", sublinha a FNAM-

A Federação Nacional dos Médicos considera ainda que a "atribuição pontual de um prémio de desempenho e de majoração de dias de férias em 2020", como previsto na proposta aprovada, "não compensa de forma justa" o risco a que os médicos estão sujeitos, diariamente e ao longo do exercício da sua profissão.

"Tal prémio não pode, em qualquer circunstância, substituir o estatuto de risco e penosidade que a FNAM sempre tem defendido", realça aquela estrutura profissional.

A FNAM diz esperar que o Governo não venha criar desigualdades injustificáveis entre profissionais de saúde", advertindo que os médicos "não aceitam outra atitude da tutela que não seja o reconhecimento do enorme esforço e abnegação" destes profissionais durante a pandemia.

A FNAM esclarece ainda que "aguarda uma posição de abertura por parte do Ministério da Saúde para negociar a proposta de estatuto de risco e penosidade acrescidos da profissão médica", que recentemente apresentou ao governo.

Portugal contabiliza pelo menos 1.579 mortos associados à covid-19 em 42.454 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
FNAM Federação Nacional dos Médicos saúde profissionais de saúde questões sociais medicina
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)