Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

“Quero justiça para o meu filho”

Deolinda e João Sales estão desde 2002 à procura de um responsável para a incapacidade total do filho João Carlos Sales, hoje com oito anos, resultado de complicações durante o parto. Para os pais, a responsabilidade é do Hospital de São Bernardo, de Setúbal, a quem exigem uma indemnização de 800 mil euros. O processo decorre no Tribunal Administrativo e Fiscal de Almada. "Só quero justiça para o meu filho. Era a terceira gravidez, mas era suposto terem feito um cesariana porque o bebé não estava em posição para parto normal", recordou Deolinda Sales.
4 de Maio de 2010 às 00:30
Deolinda Sales deixou de trabalhar para dar assistência ao filho João Carlos Sales, actualmente com oito anos
Deolinda Sales deixou de trabalhar para dar assistência ao filho João Carlos Sales, actualmente com oito anos FOTO: Vítor Mota

A mãe acrescenta que a equipa médica optou por, mesmo assim, realizar um parto normal: "O meu João ficou com a cabeça entalada e o cordão umbilical à volta do pescoço."

O resultado das complicações durante o parto, alega Deolinda Sales, foi "uma incapacidade de 98 por cento devido à falta de oxigénio no cérebro". "Está dependente de terceiros para o resto da vida. Sei que ele não melhora, mas só quero dar-lhe o mínimo de qualidade de vida", afirmou a mãe, pescadora, que deixou de trabalhar para dar a assistência necessária ao filho.

Desde 2005, o casal recebe uma indemnização mensal provisória de 550 euros, que agora se arrisca a perder caso o Tribunal Administrativo e Fiscal de Almada decida a favor do Hospital de São Bernardo.

Ver comentários