Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Racionamento de medicamentos: Médicos elogiam parecer

O conselho de ética da Ordem dos Médicos defendeu nesta segunda-feira como "equilibrado" o parecer emitido em Setembro pelo Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, que defendia o racionamento de medicamentos no Serviço Nacional de Saúde (SNS).
24 de Dezembro de 2012 às 12:11
 O CNEDM analisou o parecer do CNECV emitido em Setembro, que por sua vez tinha sido pedido pelo Ministério da Saúde e incidia sobre três grupos de medicamentos: para o VIH/sida, para os doentes oncológicos e para os doentes com artrite reumatóide
O CNEDM analisou o parecer do CNECV emitido em Setembro, que por sua vez tinha sido pedido pelo Ministério da Saúde e incidia sobre três grupos de medicamentos: para o VIH/sida, para os doentes oncológicos e para os doentes com artrite reumatóide FOTO: d.r.
"O parecer do CNECV (Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida) está bem redigido, é equilibrado, evita a controvérsia estéril, em suma, é um bom documento convocando à reflexão ética", pode ler-se no primeiro ponto do parecer emitido pelo  Conselho Nacional de Ética e Deontologia Médicas (CNEDM) da Ordem dos Médicos, a pedido do Conselho Nacional Executivo da Ordem dos Médicos, órgão presidido pelo bastonário José Manuel Silva.

O CNEDM analisou o parecer do CNECV emitido em Setembro, que por sua vez tinha sido pedido pelo Ministério da Saúde e incidia sobre três grupos de medicamentos: para o VIH/sida, para os doentes oncológicos e para os doentes com artrite reumatóide.

O CNECV considerou na altura que existe fundamento ético para que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) promova medidas para conter custos com medicamentos, tentando assegurar uma "justa e equilibrada distribuição dos recursos".

No parecer sobre o custo dos medicamentos, o CNECV recomenda que as decisões sobre racionalização de custos sejam baseadas "entre os mais baratos dos melhores" [fármacos de comprovada efectividade] e não sobre "os melhores dos mais baratos".

Em reacção a este documento, e no dia em que ele foi divulgado, o bastonário da Ordem dos Médicos veio a público criticar o CNECV, considerando "inadmissível" a defesa da "passagem de um racionamento implícito para um racionamento explícito", na área dos medicamentos.

O CNEDM da Ordem dos Médicos, contrariando as declarações públicas do bastonário, vem agora defender o parecer do CNECV, dizendo que, pela reflexão que suscita, não deveria ter ficado restrito a três tipos de medicamentos, conforme solicitado pelo Ministério da Saúde, mas deveria "assumir-se inequivocamente", como "proposta universal para modulação estatal do financiamento de medicamentos".




"Vivemos, há muitos anos, num ambiente em que esse mesmo racionamento decorre diariamente de forma clandestina, escamoteada, sem conhecimento ou consentimento da comunidade que servimos; sem normas de orientação, sujeito correntemente a estritos critérios financeiros e ignorando frequentemente princípios de equidade e de justiça distributiva", sustenta o parecer do CNEDM.

O CNEDM questiona ainda os conceitos de "custo-oportunidade", ou do "custo-efetividade" avançados no parecer do CNECV como critérios para definir o racionamento dos medicamentos, interrogando-se sobre qual a perspectiva em que seriam calculados.

"Estes rácios serão calculados na perspectiva do utente, do SNS, ou da sociedade? Os resultados poderão ser muito diferentes", pode ler-se no parecer.

O documento do CNEDM da Ordem dos Médicos conclui pelo carácter "relevante e eticamente pouco controverso" do parecer do CNECV, que insiste na necessidade de preparar bem os profissionais de saúde para as questões da bioética, de forma a alcançar "patamares de intervenção que atendam a uma justiça distributiva que a cada profissional compete respeitar com denodo".
médicos sns saúde racionamento cnecv cnedm ordem dos médicos bastonário
Ver comentários