Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Reconstrução mamária feita em três fases

Não deve interferir com quimioterapia. Reconstrução pode demorar um ano.
Daniela Polónia 23 de Outubro de 2016 às 12:36
A cirurgia em que é colocado o expansor demora cerca de quarenta e cinco minutos. Na operação, a paciente é submetida a uma anestesia total
A cirurgia em que é colocado o expansor demora cerca de quarenta e cinco minutos. Na operação, a paciente é submetida a uma anestesia total FOTO: Tiago Sousa Dias
A mama é vista como um símbolo de feminilidade e, por isso, quando uma mulher se vê submetida a uma mastectomia, a sua autoestima é afetada de forma negativa. A reconstrução mamária surge como uma fase crucial na recuperação do cancro da mama.

"Na maioria dos casos, todas as mulheres mastectomizadas podem fazer a reconstrução mamária. Excecionalmente, pode não se realizar a cirurgia caso exista má reserva funcional, por exemplo", explica Manuel Caneira, cirurgião plástico e reconstrutivo da Unidade da mama do Instituto Cuf de Oncologia.

O processo reconstrutivo, regra geral, precisa de três intervenções cirúrgicas. A primeira pode ser feita na mesma operação em que é retirada a mama ou então mais tarde.

"A segunda cirurgia de reconstrução mamária não é feita durante a quimioterapia. Temos de esperar pelo restabelecimento das defesas imunitárias", avisa o cirurgião. Manuel Caneira acrescenta: "Não podemos perder a noção das prioridades. A reconstrução não deve influenciar o tratamento do cancro."

O pós-operatório depende do tipo de reconstrução e da doente e, em média, não ultrapassa os quatro a cinco dias de internamento hospitalar. Depois, é necessário acompanhamento em consulta.

Entre as três cirurgias, a reconstrução mamária demora cerca de um ano.
Manuel Caneira Instituto Cuf de Oncologia saúde
Ver comentários