Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

Saúde identifica idosos sem apoio

Instituições Particulares de Solidariedade Social alertam para a falta de vagas nos lares nas regiões onde o abandono de idosos é mais expressivo.
Joana Nogueira 22 de Janeiro de 2015 às 07:55
Centenas de idosos ficam acamados nos hospitais públicos apesar de terem alta médica
Centenas de idosos ficam acamados nos hospitais públicos apesar de terem alta médica FOTO: Jean-Paul Pelissier/Reuters

As Administrações Regionais de Saúde (ARS) estão a fazer o levantamento do número de idosos que permanecem internados nos hospitais, apesar de já terem tido alta. A medida foi tomada na sequência da reunião que decorreu no início do mês com o Ministério da Saúde. Uma vez elencados todos os casos sociais, as ARS devem procurar transferir os utentes para lares da rede do Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, de modo a libertar camas para responder à afluência de utentes nesta época gripal.

Lino Maia, presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, diz que "há vontade de contribuir para a solução de casos de idosos abandonados nos hospitais". No entanto, "isso leva a que as Instituições Particulares de Solidariedade Social que têm vagas, e não são muitas, tenham de celebrar um acordo de colaboração com o Ministério da Saúde". O problema é "grave", já que as zonas onde mais pessoas são abandonadas são as grandes cidades, "onde não existem vagas nos lares e há listas de espera". "O acordo de cooperação que já previa esta possibilidade foi assumido em dezembro. Estamos a tentar chegar a um acordo sobre quem irá assumir os encargos resultantes da admissão destas pessoas", diz Lino Maia. Ao CM, o Instituto da Segurança Social refere que em dezembro havia 4534 vagas nos lares destinadas para os casos sociais, a que acrescem 196 convencionadas.




Ontem, o ministro da Saúde, Paulo Macedo, garantiu que a possibilidade de recurso aos hospitais privados pelos doentes do SNS será "quase nula". O Ministério da Saúde prevê reabrir 569 camas nos hospitais.