Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

Secretário-geral da Fenprof: "Funcionários públicos não são malandros"

Um mês e meio depois do início das aulas, há dez mil alunos que têm falta de, pelo menos, um professor.
João Saramago 10 de Novembro de 2019 às 09:53
Professor
secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, participou ontem, em Lisboa, na 1.ª corrida do Professor e da Educação, em defesa do ensino
Professor
secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, participou ontem, em Lisboa, na 1.ª corrida do Professor e da Educação, em defesa do ensino
Professor
secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, participou ontem, em Lisboa, na 1.ª corrida do Professor e da Educação, em defesa do ensino
O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, acusou o Governo de querer passar a ideia de que os funcionários públicos são "uns malandros" que faltam ao trabalho, ao anunciar a intenção de criar prémios de assiduidade. Mário Nogueira diz que o Governo pretende "lançar na sociedade" a imagem de que os funcionários públicos "são tão malandros que a norma é serem absentistas, logo o prémio é algo excecional". "Os funcionários públicos não são malandros! Não tem de haver prémios para a assiduidade", acrescentou.

A reação do dirigente sindical à proposta da ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, ocorreu, este sábado, na apresentação das iniciativas da Fenprof de contestação ao programa do Governo para a Educação.

Mário Nogueira estimou que cerca de dez mil alunos estão sem, pelo menos, um professor, um mês e meio depois do início das aulas. Os casos mais preocupantes dizem respeito às disciplinas de Informática, Inglês e Geografia, acrescentou, lembrando que os baixos salários fazem com que os professores recusem vagas em escolas situadas em zonas com rendas de casa elevadas.

Por outro lado, existem milhares de docentes a quem foram atribuídos "horários ilegais", alertou Mário Nogueira, que deu como exemplo o caso de um docente de Informática com "34 turmas", ou seja, mais de 800 alunos. Para a denúncia destas situações, no dia 18, há um protesto frente ao Ministério da Educação. Esta segunda-feira, os professores entregam uma petição com 15 mil assinaturas para verem discutidas no Parlamento questões da carreira.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)