Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Sindicato critica plataforma para Ensino de Português no Estrangeiro

Organismo responsável pelo Ensino de Português no Estrangeiro esclarece que "a plataforma disponibilizada aporta vantagens consideráveis ao nível do acompanhamento da vida escolar".
15 de Abril de 2019 às 13:53
Sala de aula
Sala de aula
Sala de aula
Sala de aula
Sala de aula
Sala de aula
Sala de aula
Sala de aula
Sala de aula
O Sindicato dos Professores nas Comunidades Lusíadas (SPCL) criticou esta segunda-feira a nova plataforma 'online' de inscrição/renovação de alunos do Ensino de Português no Estrangeiro (EPE) que "tentar aniquilar o ensino paralelo", uma acusação negada pelo Instituto Camões.

O SPCL considera que os registos para o próximo ano letivo são "um perfeito exemplo dessa destruição deliberada", mas o Camões - Instituto da Cooperação e Língua sublinha que "a introdução do novo formulário para inscrições e renovações, no âmbito da nova plataforma, observa o escrupuloso cumprimento do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), garantindo, ainda, o registo uniforme de todas as informações dos alunos".

O organismo responsável pelo Ensino de Português no Estrangeiro (EPE) esclarece que, "adicionalmente, do ponto de vista dos encarregados de educação, a plataforma agora disponibilizada aporta vantagens consideráveis ao nível do acompanhamento da vida escolar dos seus educandos".

"Trata-se, portanto, de um esforço que a todos beneficia e que visa melhorar os padrões de gestão e de utilização da rede EPE", acrescenta o Instituto Camões.

O Instituto Camões assinala o empenhamento de "melhorar os procedimentos no que respeita à gestão de informação na rede EPE e, desse modo, proporcionar a todos os utilizadores (alunos, pais, docentes e coordenadores) um acesso aos procedimentos e uma utilização qualitativamente melhores".

Por seu turno, a estrutura sindical critica a decisão de impor novas inscrições num "processo já de si moroso, mas tornado quase impossível pela determinação dos responsáveis de que os encarregados de educação deveriam inscrever os educandos através da internet, ideia que se revelou desastrosa e totalmente desfasada da realidade".

O Instituto Camões decidiu alargar o procedimento até 30 de abril, de modo a salvaguardar qualquer constrangimento que possa ainda registar-se.

A rede do EPE, educação pré-escolar e ensinos básico, secundário e superior, nas modalidades integrado, paralelo e projetos, está presente em mais de 70 países.

Em 2018, o universo de alunos nos ensinos básico e secundário foi de 70.90, mais 3,1% do que em 2017, ano em que o registo ficou em 68.768.

O ensino superior teve 110.295 alunos no ano passado.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)