Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

Sindicatos de professores denunciam irregularidades em concurso

Movimento de Professores Precários denunciou esta manhã a situação.
10 de Julho de 2017 às 18:26
Sala de Aula
Sala de Aula
Sala de Aula
Sala de Aula
Sala de Aula
Sala de Aula
Sala de Aula
Sala de Aula
Sala de Aula
As duas principais organizações sindicais de professores, FNE e Fenprof, denunciaram hoje erros no concurso de vinculação de docentes, uma situação que mantém na Administração Escolar, em Lisboa, dezenas de professores concentrados por tempo indeterminado.

O Movimento de Professores Precários denunciou esta manhã a situação, de docentes admitidos a concurso de vinculação extraordinária e concurso externo que constavam das listas provisórias e que foram excluídos, "de forma anormal, injusta e abusiva e não foram sequer contactados para poder reclamar".

Hoje algumas dezenas de professores reuniram-se com a diretora da Direção Geral de Administração Escolar (DGAE) e perante a falta de respostas satisfatórias decidiram manter-se nas instalações até receberem "mais informação".

"Estamos à espera de mais informação", disse à Lusa João Pereira, coordenador do Movimento Professores Precários, explicando que a diretora da DGAE lhes disse apenas que foi cumprida a lei e que os erros não dependem da DGAE.

"Só pedimos que nos seja dada a oportunidade de corrigir dados errados, essa correção já foi permitida no passado", disse João Pereira, explicando que o erro na maior parte dos casos não é dos professores mas sim "um erro administrativo das escolas".

"O problema é facilmente corrigido, basta um pouco de bom senso", disse o responsável, admitindo que os professores possam ficar na DGAE muitas horas.

Em comunicado divulgado ao início da tarde a Federação Nacional de Professores (Fenprof) diz que já contactou o Ministério da Educação para que as situações irregulares sejam resolvidas ainda antes de divulgadas as listas definitivas de professores.

Diz a Fenprof que a DGAE notificou docentes da exclusão do concurso ao qual tinham sido provisoriamente admitidos e que a estrutura sindical constatou "um conjunto de situações erradas de exclusão".

"Em causa estão, essencialmente, casos relacionados com a não consideração do tempo de serviço que os docentes efetivamente prestaram e que já tinha sido devidamente validado pelas escolas", diz a Fenprof, garantindo estar a apoiar os que foram indevidamente excluídos.

Também a Federação Nacional da Educação (FNE) disse esta tarde, em comunicado, que está a acompanhar "as múltiplas situações" de exclusão e fala de "algumas centenas de candidatos". Os docentes que se sintam prejudicados deverão contactar a FNE, diz-se no documento.

"Tendo contactado o Ministério da Educação com a manifestação das fortes preocupações que estas situações configuram, a FNE entende que não pode resultar qualquer prejuízo para nenhum candidato indevidamente excluído. Desta forma, a FNE e os seus Sindicatos membros tudo farão para que os direitos dos docentes envolvidos sejam protegidos", diz o comunicado.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)