Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
5

Surto de Monkeypox terá tido origem única e vírus tem mais de 50 mutações

Estudo diz que hipótese plausível está focada na linhagem original que circula na Nigéria nos últimos cinco anos.
Lusa 30 de Junho de 2022 às 14:05
Varíola dos macacos, saúde, infetados, prisão
Varíola dos macacos, saúde, infetados, prisão FOTO: CMTV
Uma investigação do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA) sugere que o surto de 'monkeypox' tenha uma única origem e que o vírus tem um número "anormalmente elevado" de mutações, tendo em conta as suas características.

O estudo do INSA sobre a sequenciação genética do vírus 'Monkeypox', publicado na revista científica Nature Medicine, refere a origem única do surto mas indica que potencialmente terão existido várias introduções em países diferentes e salienta o número anormalmente elevado de mutações do vírus, uma média de 50, contrariando expectativas da comunidade científica tendo em conta as características do agente em causa.

"A origem mais provável do vírus que está a causar o surto de 'monkeypox' mundialmente em 2022 é um vírus ancestral comum que terá causado um surto na Nigéria em 2017 e que tenha sido responsável também pela exportação de alguns casos em 2018 e 2019 para o Reino Unido, Singapura e Israel", disse hoje à agência Lusa o investigador do INSA João Paulo Gomes, que liderou o estudo.

A hipótese mais plausível será a de que a linhagem original tenha continuado a circular na Nigéria ou em países vizinhos ao longo dos últimos cinco anos e tenha acumulado mutações nesse processo.

De acordo com esta teoria, algumas pessoas infetadas terão viajado, provavelmente nos meses de março ou abril de 2022, para países não endémicos como Portugal, Reino Unido e Espanha e iniciado cadeias de transmissão.

Relativamente às características do vírus, o responsável da Unidade de Investigação do Núcleo de Genómica e Bioinformática do Departamento de Doenças Infecciosas do INSA disse que os investigadores ficaram surpreendidos quando se aperceberam que existiam "muito mais mutações do que o que era esperado".

"Se ele provêm, muito provavelmente, do vírus da Nigéria, que circulou há cerca de cinco anos, e esperando uma taxa de mutação perfeitamente descrita de cerca de uma, não mais de duas, mutações por ano, não seria expectável que tivéssemos um vírus a circular agora e a causar este surto massivo com mais de dez mutações. No entanto, encontrámos uma média de 50 mutações no vírus que sequenciámos e isto fez com que apelidássemos de uma evolução acelerada", salientou.

O que os investigadores observaram foi "um vírus muito evoluído" relativamente ao que estavam à espera, mas João Paulo Gomes referiu que não é conhecido "qual o impacto destas mutações em termos de maior ou menor transmissão, em termos de maior ou menor severidade".

O investigador adiantou que "um número muito significativo" das mutações tinha como alvo proteínas do vírus que estão associadas à interação com as proteínas humanas, em particular com o sistema imunitário, o que "sugere claramente um processo de adaptação" aos humanos.

"A maior parte das mutações parecem resultar de um mecanismo de defesa do próprio ser humano, que atua normalmente com vista a modificar geneticamente o vírus invasor de forma a controlar a infeção, podendo, no entanto, acontecer que, por má regulação deste sistema, as mutações criadas no vírus não lhe sejam prejudiciais, o que parece ter sido exatamente o que aconteceu com o vírus 'Monkeypox' de 2022", rematou.

Em Portugal, já foram reportados 402 casos de 'Monkeypox'.

Até 27 de junho, tinham sido reportados um total de 4.357 casos em 48 países.

Monkeypox Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge INSA Nigéria Portugal João Paulo Gomes João Paulo Gomes
Ver comentários
}