Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
7

Tempestade ‘Bárbara’ provoca caos de Norte a Sul do País

Registo de quase 1400 ocorrências devido a mau tempo.
Vanessa Fidalgo 21 de Outubro de 2020 às 00:43
Em Setúbal, veículos ficaram destruídos
Andaime ruiu, em Setúbal
Em Faro, árvores cortaram via
Em Olhão, a chuva inundou túnel
No Porto, passageira de chapéu no autocarro
Em Setúbal, veículos ficaram destruídos
Andaime ruiu, em Setúbal
Em Faro, árvores cortaram via
Em Olhão, a chuva inundou túnel
No Porto, passageira de chapéu no autocarro
Em Setúbal, veículos ficaram destruídos
Andaime ruiu, em Setúbal
Em Faro, árvores cortaram via
Em Olhão, a chuva inundou túnel
No Porto, passageira de chapéu no autocarro
O mau tempo provocado pela passagem da depressão ‘Bárbara’ provocou até às 19h00 desta terça-feira um total de 1358 ocorrências (510 na segunda-feira e 848 durante o dia desta terça-feira) e levou à mobilização de 2251 operacionais.

O maior número de ocorrências verificou-se em Faro (180), seguindo-se Lisboa (130) e Setúbal (127). Também o Alentejo foi uma das regiões do País mais fustigadas pelo mau tempo: Portalegre contou 78 ocorrências, seguida por Évora (67) e Beja (47).

De acordo com fonte da Proteção Civil, as situações mais graves foram “inundações em superfícies causadas pela forte precipitação que se fez sentir e quedas de estruturas e árvores”. Apesar dos estragos, não se contabilizaram feridos.

Ao longo do dia desta quarta-feira, a Proteção Civil vai manter em alerta especial laranja os distritos de Faro, Beja, Évora, Setúbal, Lisboa, Santarém, Castelo Branco, Coimbra, Aveiro e Porto. De acordo com as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a depressão ‘Bárbara’ vai manter a trajetória e provocar chuva intensa e ventos fortes (que podem chegar aos 100 quilómetros/hora) ao longo desta quarta-feira, devendo alcançar a região da Galiza (Espanha) no final do dia, altura em que o estado do tempo irá retomar a normalidade. Quanto à agitação marítima, esta quarta-feira será de sudoeste com 2 a 3,5 metros (temporariamente entre 4 e 4,5 metros a sul do Cabo da Roca).

Devido à previsão de mau tempo, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil enviou sete milhões de SMS à população dos distritos afetados e recomendou a adoção de comportamentos adequados à situação meteorológica.

pormenores
Porto 
Uma passageira de uma carreira urbana de autocarros na cidade do Porto teve de abrir o chapéu dentro do veículo por causa da chuva que caía no interior.

Lisboa
Em Miraflores, Oeiras, caíram várias árvores. Registo de inundação no Pingo Doce das Olaias, Lisboa. A baixa de Sacavém, Loures, ficou intransitável.

Setúbal
A queda de várias árvores e estruturas provocou elevados danos materiais e provocou o caos em algumas das principais vias da cidade de Setúbal.

Ver comentários