Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Timor-Leste recebe mais 58 professores portugueses

Timor-Leste vai abrir, já no início do próximo ano, quatro novas escolas de referência, que vão acolher mais 58 professores portugueses, anunciaram esta terça-feira em Lisboa os ministros da Educação timorense e português.
27 de Novembro de 2012 às 20:37
Nuno Crato deve inaugurar as novas escolas de Timor-Leste
Nuno Crato deve inaugurar as novas escolas de Timor-Leste FOTO: Carlos Barroso/Lusa

Em conferência de imprensa, os ministros da Educação português, Nuno Crato, e timorense, Bendito Freitas, adiantaram que, a partir de Janeiro, haverá um total de 108 professores portugueses a colaborarem com as escolas de referência, unidades de ensino timorenses que obedecem a currículos e directivas locais.

O projecto das escolas de referência, assinado em Setembro, entre os ministérios da Educação de Portugal e de Timor, conta já com 50 professores portugueses.

O objectivo das autoridades timorenses é criar uma escola de referência em cada distrito. Com as próximas quatro, ficam a faltar quatro outras, estimando os dois ministros que a tarefa possa estar concluída dentro de dois anos.

Em Janeiro, Nuno Crato participou na inauguração de cinco escolas de referência timorenses - em Gleno, Same, Baucau, Maliana e Oecussi.

De visita a Portugal, a primeira como ministro da Educação, Bendito Freitas agradeceu a "cooperação" de Portugal e convidou Nuno Crato a voltar a Timor-Leste em Fevereiro do próximo ano.

O ministro da Educação português aceitou o convite e deverá participar na inauguração das quatro escolas, na abertura do ano lectivo timorense.


Simultaneamente, Nuno Crato deverá participar numa conferência sobre educação, alfabetização e conhecimento da língua portuguesa, que o ministro Bendito Freitas está a organizar para a mesma altura.

Orçadas em 2,4 milhões de dólares, 1,5 milhões dos quais garantidos pelo Estado português, contam com professores portugueses e timorenses.

Nuno Crato aproveitou para elogiar a "dedicação" dos professores portugueses em Timor. "Para Portugal, isto também é bom, não é só para Timor. Os professores portugueses que vão para Timor voltam diferentes (...), com uma experiência muito mais rica", destacou.

Pretendendo servir de modelo para todas as outras escolas do sistema de ensino oficial timorense, as unidades de referência "servirão também como centros para a formação dos professores timorenses, que vão dar cobertura a 202 escolas básicas centrais", explicou Bendito Freitas.

Realçando que os governantes timorenses estão "particularmente empenhados na educação", Bendito Freitas, no cargo desde as eleições de agosto, disse também pretender "dar mais ênfase à cooperação entre ensinos superiores".

Por isso, visitou as universidades de Coimbra, Aveiro e Minho (em Braga), procurando aumentar a cooperação com Portugal, "em ciência, tecnologia e informações".

timor-leste professores ministério educação nuno crato
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)