Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Trabalhadores da EMEL protestam na quarta-feira por atualização salarial

Proposta do CESP prevê um aumento do salário de 50 euros para todos os trabalhadores e 650 euros para o salário mínimo da tabela.
25 de Fevereiro de 2019 às 12:54
Parque de estacionamento vai ser explorado pela EMEL
Parquímetros
Parque de estacionamento vai ser explorado pela EMEL
Parquímetros
Parque de estacionamento vai ser explorado pela EMEL
Parquímetros
Os trabalhadores da EMEL agendaram para quarta-feira uma concentração em frente à Câmara de Lisboa para exigirem a atualização dos salários, congelados há mais de nove anos, disse esta segunda-feira à agência Lusa fonte sindical.

A concentração, com a participação do secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, decorre entre as 16h00 e as 17h00, numa altura em que para os Paços do Concelho está prevista a reunião pública da autarquia, na qual representantes dos trabalhadores esperam intervir.

Segundo Ana Pires, do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), o sindicato entrou em negociações com a administração da EMEL - Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa - em setembro de 2018, com base no Acordo de Empresa assinado em julho de 2017, para aumentos salariais, congelados há mais de nove anos.

A proposta do CESP prevê um aumento do salário de 50 euros para todos os trabalhadores e 650 euros para o salário mínimo da tabela.

No entanto, segundo a sindicalista, depois de um conjunto de reuniões, a administração da EMEL afirmou que "só discute salários com o sindicato quando a CML der indicação de valor e de revisão salarial".

"Primeiro, não é possível. Existe contratação coletiva e os trabalhadores têm direito a negociar os seus salários no âmbito da contração coletiva e cabe ao sindicato e à administração da empresa fazer a negociação no âmbito deste contrato coletivo. Depois, é verdadeiramente vergonhoso que, após quase 10 anos de congelamento salarial e agora não havendo nenhum tipo de limitação, existindo contratação coletiva e uma empresa que faz lucros de milhões, esteja a querer negar aos seus trabalhadores um direito que é seu, de negociar os seus salários e ver os seus salários aumentados", considerou Ana Pires.

Os representantes dos trabalhadores esperam intervir na reunião pública da Câmara para pedir a intervenção do presidente Fernando Medina, "que, em última análise, é o responsável por todo este processo, visto que a Câmara tem a tutela da empresa".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)