Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Tratamento pode resolver problemas de incontinência

Dispositivo é colocado sob a pele, na região acima das nádegas, e tem como objetivo principal controlar a bexiga e os intestinos.
Francisca Genésio 17 de Março de 2018 às 09:37
Cirurgia demora menos de uma hora e é feita com anestesia local. Na maior parte dos casos não implica internamento
Cirurgia demora menos de uma hora e é feita com anestesia local. Na maior parte dos casos não implica internamento
Cirurgia demora menos de uma hora e é feita com anestesia local. Na maior parte dos casos não implica internamento
Cirurgia demora menos de uma hora e é feita com anestesia local. Na maior parte dos casos não implica internamento
Cirurgia demora menos de uma hora e é feita com anestesia local. Na maior parte dos casos não implica internamento
Cirurgia demora menos de uma hora e é feita com anestesia local. Na maior parte dos casos não implica internamento
Cirurgia demora menos de uma hora e é feita com anestesia local. Na maior parte dos casos não implica internamento
Cirurgia demora menos de uma hora e é feita com anestesia local. Na maior parte dos casos não implica internamento
Cirurgia demora menos de uma hora e é feita com anestesia local. Na maior parte dos casos não implica internamento
Os constrangimentos, no dia a dia, para quem sofre de incontinência urinária ou fecal poderão agora ter um fim à vista. A neuromodulação sagrada é um tratamento cirúrgico minimamente invasivo e que tem demonstrado "bons resultados, oferecendo aos doentes uma nova esperança ", disse, ao Correio da Manhã, o médico cirurgião no Hospital da Luz José Assunção Gonçalves. O objetivo principal é controlar a bexiga e os intestinos.

O tratamento consiste na implantação de um dispositivo, "parecido com um pacemaker", sob a pele, acima da zona das nádegas, que funciona "como uma bateria e estimula os nervos por meio de impulsos elétricos suaves transmitidos através do fio implantado".

A neuromodulação sagrada decorre assim em duas fases: a fase de avaliação e a fase de implantação. A primeira permite ao médico determinar se a neuromodulação sagrada será benéfica ou não para o doente. No entanto, ainda antes desta fase, é necessário registar as idas diárias à casa de banho para servir de termo de comparação numa fase posterior.

"É inserido um pequeno elétrodo através da zona do sacro para estimular as raízes sagradas, onde se formam os nervos que controlam a bexiga, o reto, o ânus e os músculos do pavimento pélvico. O fio é depois ligado a uma bateria externa que envia ligeiros impulsos elétricos aos nervos", explicou o cirurgião.

O período de avaliação dura cerca de três semanas. O procedimento cirúrgico demora menos de uma hora e é realizado com anestesia local. Na maioria dos casos não implica internamento. Feita a primeira fase, o doente deverá continuar a registar as idas à casa de banho. Se a avaliação da experiência for positiva, então a bateria permanente é colocada cirurgicamente. O kit neuromodulador tem um custo de cerca de 15 mil euros, embora o valor seja "quase sempre comparticipado". Em qualquer momento, o doente pode desativar ou retirar o implante.

Problema afeta 600 mil
A incontinência urinária e fecal afeta cerca de 600 mil pessoas em Portugal. A maioria da população afetada são mulheres entre os 45 e os 65 anos.

Lesões traumáticas
A incontinência fecal pode ser provocada por lesões traumáticas, como o parto, cirurgias ou acidentes, malformações congénitas, ou até mesmo por doenças ou medicações.

Fisioterapia ajuda
A incontinência urinária é provada, principalmente, pelo enfraquecimento dos músculos pélvicos. Também o parto é uma das causas nas mulheres. A fisioterapia ajuda a prevenir.
Correio da Manhã cirurgião Hospital da Luz José Assunção Gonçalves Portugal saúde medicina tratamentos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)