Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Greve de revisores da CP de 20 e 21 de maio com serviços mínimos

Tribunal Arbitral sublinha que direito à paralisação "tem de ser interpretada em harmonia com outros direitos fundamentais".
Lusa 16 de Maio de 2019 às 18:34
Comboios da CP
Estação da CP em Tomar
comboio, CP, alfa pendular
Comboios da CP
Estação da CP em Tomar
comboio, CP, alfa pendular
Comboios da CP
Estação da CP em Tomar
comboio, CP, alfa pendular

O Tribunal Arbitral decidiu esta quinta-feira decretar serviços mínimos para a greve dos revisores da CP, agendada para segunda e terça-feira, alegando que o direito à greve "tem que ser interpretado em harmonia com outros direitos fundamentais".

"O direito à greve, como direito fundamental, tem que ser interpretado em harmonia com outros direitos fundamentais, como o direito à circulação, o direito à saúde, o direito ao trabalho ou o direito à educação [...]. Uma greve suscetível de implicar um risco de paralisação do serviço de transportes deve ser acompanhada da definição dos serviços mínimos", defendeu, em comunicado, o Tribunal Arbitral.

Na base da decisão, está ainda a obrigação, prevista no Código do Trabalho, de as associações sindicais e de os trabalhadores aderentes assegurarem, durante a paralisação, a prestação de serviços mínimos "indispensáveis à satisfação" de necessidades sociais no setor.

"A conclusão a que se chega é a de que se afigura adequado, ao abrigo dos critérios constitucionais e legais, a definição de serviços mínimos relativos à circulação das composições de transporte de passageiros, por se tratar de uma greve com uma duração de, na prática, quatro dias e com um âmbito subjetivo expressamente referido para 'todos os trabalhadores ferroviários, de todas as categorias profissionais da CP", lê-se no documento.

Tribunal Arbitral CP Código do Trabalho trabalho serviços mínimos CP revisores
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)