Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Trinta e sete famílias do bairro da Jamaica começaram a ser realojadas esta segunda-feira

Ação decorre entre segunda e quarta-feira e abrangerá 90 pessoas.
Lusa 17 de Outubro de 2022 às 08:59
Bairro Jamaica sem condições
Bairro Jamaica sem condições FOTO: DR
Trinta e sete famílias do bairro Vale de Chícharos (Bairro da Jamaica), no Seixal, começaram esta segunda-feira a ser realojadas, ficando concluída a primeira fase de um processo iniciado em dezembro de 2018, segundo a autarquia.

A ação decorre entre segunda e quarta-feira e abrangerá 90 pessoas.

Segundo a Câmara Municipal do Seixal (CDU), no distrito de Setúbal, o processo de realojamento foi iniciado em dezembro de 2018 e já permitiu o realojamento de 64 famílias/187 pessoas, moradores do antigo lote 10, já demolido.

O modelo de realojamento adotado pela autarquia do Seixal foi o de aquisição e reabilitação de habitações dispersas pelo município com vista a uma integração plena dos moradores de Vale de Chícharos na comunidade seixalense.

Em novembro de 2017, a Câmara Municipal do Seixal realizou um levantamento de todas as pessoas que viviam em Vale de Chícharos.

Na altura, segundo a autarquia, foi feito o recenseamento de 234 famílias, cerca de 750 pessoas, que ficaram devidamente assinaladas e com direito a serem incluídas no processo de realojamento de acordo com o protocolo estabelecido entre a Câmara Municipal do Seixal e o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, homologado pela Secretaria de Estado da Habitação.

Relativamente às 133 famílias que ainda vão continuar a residir no bairro, a autarquia assegura que "irá continuar a trabalhar, em conjunto com o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana e com a Secretaria de Estado da Habitação, para proceder ao realojamento, o mais rápido possível".

A autarquia do Seixal garante que irá realojar até ao final de 2022 mais 37 famílias que residem nos lotes 14 e 15, e que as restantes 96 serão realojadas até final de 2023.

"Findo este processo será concretizada a limpeza integral do terreno", explica a Câmara Municipal do Seixal numa nota enviada à agência Lusa.

Atendendo à dimensão e à complexidade deste processo, tendo em conta o elevado número de famílias e a necessidade de uma rápida demolição dos edifícios, a autarquia definiu que o procedimento seria realizado de forma faseada.

O financiamento para este realojamento resulta de verbas provenientes de uma candidatura da Câmara Municipal do Seixal ao Plano de Recuperação e Resiliência.

Ver comentários
C-Studio