Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
5

Unidade fecha portas

A Unidade de Internamento que, desde 1966, funcionava no antigo Hospital José Lourenço Viegas, de São Brás de Alportel, doado à Santa Casa da Misericórdia, vai ser encerrada, amanhã, por ordem da Administração Regional da Saúde (ARS) do Algarve.
30 de Maio de 2010 às 00:30
Benemérito sambrasense doou estrutura, que fica sem internamento
Benemérito sambrasense doou estrutura, que fica sem internamento FOTO: João Marujo

Dotada de 18 camas, a Unidade tem acolhido, ao longo deste quase meio século, principalmente, idosos doentes abandonados ou cujos familiares não os podiam acolher nas suas residências.

"Uma medida economicista, que não podemos aceitar, por prejudicar fortemente os nossos munícipes", reclama António Eusébio, presidente da Câmara Municipal de São Brás de Alportel, que lembra que "as instalações, doadas por um benemérito sambrasense, beneficiaram de importantes obras há cerca de 10 anos, ficando com melhores condições do que o Hospital de Faro". O autarca já manifestou junto da ARS/Algarve o seu descontentamento e o da população.

Rui Lourenço, presidente da ARS/Algarve, justifica o encerramento com a possibilidade de os utentes poderem aceder às Unidades de Cuidados Continuados (UCC), espalhadas pela região. "Já temos UCC em Vila Real de Santo António, Olhão, Faro, Monchique e Loulé e, dentro em breve, será inaugurada a unidade de Aljezur", salienta.

Rui Lourenço não concorda com o facto de o Centro de Saúde de São Brás de Alportel funcionar com uma unidade de internamento. "Não faz sentido aquele Centro de Saúde ser uma excepção e ter internamento. O espaço necessitaria de obras dispendiosas, que não se justificam, para albergar uma dezena de utentes", afirmou o responsável da ARS/Algarve.

Uma carrinha com pessoal especializado e o internamento nas UCC é a opção da ARS/Algarve ao encerramento desta unidade.

DEPOIMENTOS

"POUPAR DINHEIRO À CUSTA DOS IDOSOS": Susel Correia aposentada

Vão poupar dinheiro à custa dos idosos, que vão ser distribuídos por todo o Algarve. Muitas famílias vão ficar sem possibilidade de os visitar

"DERAM ORDEM DE MARCHA À MINHA MÃE": Nemésio Madeira operário fabril

A minha mãe, com 86 anos, recuperava na unidade. Fui chamado à pressa e deram-lhe ordem de marcha. Tive de ir arranjar um lar a pagar

Ver comentários