Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Vacinas Covid compradas por Portugal são mais do que as pessoas elegíveis para vacinação

Mesmo com restrições há vacinas que podem não ser usadas.
Lusa 5 de Maio de 2021 às 11:36
Vacina contra a Covid-19
Vacinas contra a Covid
Vacina contra a Covid-19
Vacinas contra a Covid
Vacina contra a Covid-19
Vacinas contra a Covid
A Comissão Técnica de Vacinação Contra a Covid-19 garantiu hoje que a quantidade de vacinas adquiridas por Portugal levará a que algumas possam não ser utilizadas, pois são mais do que as pessoas elegíveis.

Em declarações numa audição na comissão parlamentar de Saúde, a pedido do PSD, sobre as razões que serviram de base às alterações dos critérios de vacinação, o coordenador da Comissão Técnica de Vacinação Contra a Covid-19, Valter Fonseca, disse que mesmo sem as restrições de idade relativas às vacinas da Astra Zeneca e da Janssen, já haveria algumas vacinas que podiam não ser usadas tendo em conta as doses compradas por Portugal.

Sobre a justificação das restrições, disse que foram sempre definidas com base em avaliações feitas, país a país, sobre a incidência da doença, a existência de vacinas alternativas e a ponderação benefício-risco.

"Tivemos em consideração que o número de eventos [efeitos secundários] era muito baixo, apesar de alguma gravidade, mas que as vacinas eram absolutamente seguras acima dos 60 [Astra Zeneca] e 50 anos [Janssen]", afirmou Valter Fonseca, quando questionado sobre o porquê das restrições à vacinação de pessoas abaixo destas idades relativamente às duas vacinas.

A propósito das diferentes opções dos países europeus quanto às restrições de idade relativamente às vacinas da Astra Zeneca (Vaxzevria) e da Janssen (farmacêutica do grupo Johnson & Johnson), Luis Graça, médico imunologista e professor da Faculade de Ciências da Universidade de Lisboa, que também faz parte da Comissão Técnica de Vacinação Contra a Covid-19, esclareceu que "as autoridades de saúde dos diferentes países olham para os dados de forma diferente" e que as autoridades do medicamento fazem uma avaliação de forma isolada.

"As autoridades do medicamento avaliam os medicamentos isoladamente. No caso da vacina, observam o risco-benefício de forma global na população", afirmou, explicando que os países "devem olhar para os dados e comparar com o seu estado epidémico - um país com grande transmissão de infeção não está nas mesmas condições de um outro com menor estado epidémico -, avaliar a disponibilidade de outras vacinas alternativas, o estado da vacinação e até o risco em diferentes grupos populacionais".

"O que muitos concluíram é que, existindo outras vacinas e havendo um risco pequeno, mas identificado, restrito a uma determinada faixa etária, é prudente que [a vacina] seja administrada em populações onde esse risco não se observa, havendo outras vacinas para dar cobertura à população onde o risco está presente. Assim, conseguimos minimizar o risco, não pondo em causa o benefício da vacinação, pois todos vão ser vacinados, independentemente da sua idade", acrescentou o especialista.

Sobre a estratégia a adotar relativamente à segunda dose da vacina da Astra Zeneca em pessoas abaixo dos 60 anos, Valter Fonseca, por seu lado, disse que está a ser considerada a possibilidade de uma vacina de outra marca, mas sublinhou que "ainda há estudos a serem feitos", dos quais haverá resultados ainda este mês.

"O que está a ser considerado é uma vacina de outra marca na segunda dose. Há estudos ainda a serem feitos", afirmou o responsável, acrescentando que alguns dados mostram que num intervalo superior a 12 semanas ainda se mantém a proteção conferida pela primeira dose.

Os estudos de que se aguardam resultados são exatamente relacionados com esquemas vacinais mistos (vacinas diferentes na primeira e segunda dose), "mas há informação de plausibilidade biológica e experiência com outras vacinas que indicam que é uma alternativa acertada", disse.

"Os dados mostram que é defensável (...), mas sem nunca deixar de envolver o cidadão no processo de decisão", afirmou Valter Fonseca, referindo-se à possibilidade que a Direção-Geral de Saúde introduziu de a pessoa escolher se prefere aguardar por novos dados ou tomar no intervalo determinado a segunda dose da mesma vacina (Astra Zeneca).

Sobre a vacinação de quem já esteve infetado, justificou a opção de vacinar pessoas recuperadas da infeção há pelo menos seis meses afirmando: "Os estudos mostram robustez na imunidade adquirida pela infeção natural".

"Pode prolongar-se (...), pois há baixíssima taxa de reinfeção nestas pessoas", acrescentou.


Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Ver comentários