Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Vaticano analisa cinco milagres da Irmã Lúcia

Fase diocesana terminou e documentação vai ser enviada para a Causa dos Santos.
Secundino Cunha 14 de Janeiro de 2017 às 01:45
O processo de beatificação da Irmã Lúcia começou em 2008
O processo de beatificação da Irmã Lúcia começou em 2008 FOTO: Direitos Reservados
O processo de beatificação da Irmã Lúcia, cuja fase diocesana foi agora concluída, contém cinco casos que poderão ser considerados milagres realizados por intercessão da vidente de Fátima.

Os supostos milagres ocorreram em várias partes da América Latina e da Europa, incluindo Portugal, mas essas questões mantêm-se para já em segredo, uma vez que terão de ser alvo de inúmeros exames médicos e teológicos.

O início do processo de beatificação da Irmã Lúcia foi antecipado em dois anos pelo Papa Bento XVI, tendo começado em 2008, mas só agora foi concluído, após quase uma década de trabalho.

"Temos de ter em conta que estamos na presença de uma pessoa que viveu quase 98 anos e que escreveu muito - só cartas recolhemos mais de 11 mil - e isto tornou o processo muito complexo", disse a irmã Ângela Coelho, a vice-postuladora da causa de beatificação.

A documentação, que vai ser lacrada em sessão solene marcada para 13 de fevereiro, em Coimbra, quando passam 12 anos sobre a morte da vidente, será depois enviada para a Congregação para as Causas dos Santos, no Vaticano, que a analisará cuidadosamente.

Se o exame for positivo, Lúcia será declarada venerável. Depois serão analisados os milagres e se algum for considerado autêntico, será beatificada.
Irmã Lúcia América Latina Europa Portugal Bento XVI Ângela Coelho Coimbra Vaticano religião
Ver comentários
C-Studio