Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
8

Vila Real cumpre tradição de dar o pito, o doce que atrai novos e velhos

Iguaria tem recheio de doce de abóbora e cobertura de massa de farinha.
Lusa 13 de Dezembro de 2019 às 13:41
A tradição do pito, que se cumpre esta sexta-feira em Vila Real, representa um negócio extra para as mulheres que vendem o doce típico de massa e abóbora e atrai muitos populares ao recinto da capela de Santa Luzia.

Uma tarja onde se lê: "Aqui nasceu a tradição pitos de Santa Luzia" chama a atenção para a rua que sobe à capela, na localidade de Vila Nova, numa das entradas da cidade de Vila Real.

Lá em cima, algumas mulheres ocupam stands com bancadas recheadas deste doce típico que protagoniza uma tradição popular que se repete todos os anos: a rapariga oferece hoje o pito ao rapaz que, em fevereiro, retribui com a gancha.

E nem a chuva ou o frio afasta os clientes, muitos homens e mulheres.

"Estou aqui a vender o pito. Já há mais de 40 anos que venho aqui", afirmou à agência Lusa Augusta Silva, 70 anos.

Contou que aprendeu a receita com a sogra. "Fazíamos a meias, eu dava o trabalho e ela dava os ingredientes e esticávamos a farinha com uma garrafa de vidro, pois não tínhamos rolo na altura", referiu.

Para o dia de Santa Luzia, Augusta Silva fez à volta de 1.000 pitos. Hoje é o dia principal, mas já na quinta-feira "saíram mais de 20 dúzias de casa".

"Estou aqui pela tradição. Este ano já não era para fazer, mas o bichinho anda cá", salientou.

Um dos clientes de Augusta foi Albino Guicho, 60 anos, que disse que todos os anos vem visitar a capela e buscar "os pitinhos" para a família e amigos.

"Ainda sou do tempo em que isto era uma festa enorme", lembrou.

O pito, com recheio de doce de abóbora e cobertura de massa de farinha, tem o formato de uma espécie de penso antigo que se colocava na vista. Santa Luzia é a padroeira dos doentes com problemas de olhos.

Esta tradição começou por ser religiosa e acabou, com o passar do tempo, por ter um cariz popular e são mulheres e homens de todas as idades que aderem à brincadeira.

"Damos a esmola à santinha e compramos o pito. O pito é para o meu homem, tem de ser, e depois é ele que me dá a gancha no São Brás", afirmou Piedade Brás, 67 anos.

Ao lado, o marido Manuel Ferreira, de 63 anos, disse, entre sorrisos, que gosta do doce.

Maria José Seixas, 42 anos, é cozinheira num restaurante e aproveita as horas livres para ganhar um dinheiro extra. Para estes dias fez à volta de "1.500 pitos".

"Aproveito, no dia de Santa Luzia, faço sempre uns pitinhos e há já quase 20 anos que venho. Aprendi com os meus avós. A tradição era fazer-se todos os anos e, para não deixar cair a tradição, comecei a fazer também como eles", referiu.

É "mais um extra" que Maria José faz, com "muito sacrifício, mas que vale a pena".

Durante este mês recebe encomendas e aproveita as horas livres para cozinhar o doce, tudo de forma manual, desde o estender a massa, cortar e fazer o recheio com as abóboras da própria horta.

Augusta Silva Vila Real Santa Luzia Maria José Seixas questões sociais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)