Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Visita do papa é oportunidade para a economia local, diz bispo de Leiria-Fátima

Santo padre confirmou ao bispo, em 29 de abril, a intenção de visitar Fátima em 2023
Lusa 12 de Maio de 2021 às 20:32
D. António Marto
D. António Marto FOTO: Luís Oliveira
O bispo de Leiria-Fátima, António Marto, mostrou-se esta quarta-feira esperançado que a visita do papa Francisco a Fátima, em 2023, seja uma oportunidade para a economia local, que foi fortemente afetada pela pandemia.

"É um sinal de grande esperança, não só pelo que significa esta vontade do papa de se fazer peregrino de novo aqui na Cova da Iria, mas também pela oportunidade que pode representar para a economia local, que tem sentido fortemente o impacto desta crise", afirmou o cardeal durante a conferência de imprensa que antecedeu a peregrinação internacional aniversária de maio.

Francisco confirmou ao bispo, em 29 de abril, a intenção de visitar Fátima em 2023, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude, que se realizará em Lisboa.

A confirmação foi feita durante uma audiência privada entre o cardeal António Marto e o papa Francisco, no Vaticano.

Para António Marto, a visita do papa à Cova da Iria "enfatiza a importância do lugar" e da mensagem deixada virgem de Fátima.

"Renova a ligação forte entre o papa Francisco e Fátima, que a mim me surpreendeu", frisou.

Os efeitos da pandemia sentem-se também no Santuário de Fátima, segundo o seu reitor, Carlos Cabecinhas, que, no entanto, garantiu aos jornalistas que a situação económica e financeira, sendo difícil, não põe "em causa a estabilidade da instituição".

"Este tipo de situações tem um peso extremamente grande e negativo naquilo que é o exercício anual do santuário. O ano passado entendemos avançar com um processo de reestruturação, precisamente numa perspetiva responsável de quem sabia que não estávamos a viver um momento pontual de um ano, mas de uma situação que se ia prolongar", justificou.

Segundo o reitor, "a situação económica e financeira do santuário é estável como sempre foi", mas "estes tempos são difíceis".

"Todos temos consciência da dificuldade, mas o santuário tem uma situação que lhe permite continuar, com responsabilidade, a fazer frente e a responder aos seus compromissos", garantiu.

Carlos Cabecinhas anunciou que o santuário retomará, "assim que a situação pandémica o permita, as atividades com doentes e com idosos, que são os mais frágeis e que maior atenção merecem".

"Mas não descuraremos os jovens, que se contam também entre os mais frágeis, não já por motivos de saúde, mas de condições sociais e, tantas vezes, pela falta de horizontes e de esperança", acrescentou.

O reitor disse ainda que, este ano, o santuário criará condições "para avançar com um centro de escuta e de atendimento para aquelas pessoas que precisam de apoio espiritual para enfrentarem as situações da vida".

Ver comentários