MINISTRO JUSTIÇA ALBERTO MARTINS AMBULÂNCIA LISBOA