Barra Cofina

Correio da Manhã

Tecnologia
3

Especialistas alertam para a necessidade de "maior consciência de segurança"

Orador da 3.ª Edição Porto Cybersecurity Conference 2017 insistiu na importância de "regenerar" a cultura de segurança.
Lusa 17 de Maio de 2017 às 21:09
Ciberataques
virus, computador, ecrã, ataque informático, ciberataque, informática
Ciberataque
Computador
Ciberataques
virus, computador, ecrã, ataque informático, ciberataque, informática
Ciberataque
Computador
Ciberataques
virus, computador, ecrã, ataque informático, ciberataque, informática
Ciberataque
Computador

Especialistas internacionais alertaram esta quarta-feira, no Porto, para a necessidade de as pessoas ganharem "maior consciência de segurança" para evitar ou minimizar efeitos de ataques informáticos, tal como o ciberataque lançado na sexta-feira contra vários países e organizações.

Durante a 3.ª Edição Porto Cybersecurity Conference 2017, realizada hoje, no Porto, Samuel de Tomás, um dos oradores, insistiu na importância de "regenerar" a cultura de segurança para que as pessoas, que são quem utilizam os dispositivos tecnológicos, consigam reconhecer, prevenir e preparar-se para eventuais ameaças.

Com a mesma visão, Ramses Gallego, outro dos conferencistas, reforçou que só é possível combater ataques informáticos com três coisas: tecnologia, pessoas e sentido comum.

O ciberataque lançado na sexta-feira contra vários países e organizações foi de "um nível sem precedentes", admitiu a Europol, sublinhando ter afetado mais de 300 mil computadores em 150 países.

O vírus 'WannaCry' propaga-se aproveitando uma vulnerabilidade do sistema operativo da Microsoft, detetada pela Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos, cujos dados foram roubados em abril por piratas informáticos.

O vírus limita ou impede aos utilizadores o acesso ao computador ou a ficheiros, exigindo ao proprietário um pagamento em troca de um código para resolver o problema.

O espanhol Samuel de Tomás frisou que é "importantíssimo" ter o sistema operativo atualizado porque diariamente as pessoas recebem e-mail com ficheiros anexos com vírus que, caso sejam abertos, se propaga.

"Na verdade, a maior vulnerabilidade está nas pessoas", considerou.

Por isso, reforçou a necessidade de "atualizar este processo de inteligência" que permite às empresas e aos seus funcionários defender-se das ameaças, protegendo os seus dados.

Insistindo igualmente na mensagem de proteção e defesa, Ramses Gallego entende que não se pode pensar na cibersegurança verticalmente, mas de maneira amplificada porque os piratas informáticos entram e atacam em todas as direções.

A tecnologia, as pessoas e o sentido comum são os três eixos assinalados pelo espanhol para mitigar os efeitos de um ataque informático.

"Não pode acontecer avisarem-se as pessoas de que a porta está aberta e, por isso, estão vulneráveis e, mesmo assim, não a fecharem", salientou.

O facto de haver uma "porta aberta", que é como quem diz uma vulnerabilidade, causou a propagação massiva deste vírus, frisou, realçando que os piratas informáticos sabendo disto "é claro" que fizeram planos para invadir e atacar o que puderam.

Houve um descuido humano e técnico, considerou o especialista.

A motivação deste ciberataque não foram os dados, como habitualmente acontece, mas sim o dinheiro, opinou.

Durante todo o dia, a Porto Cybersecurity Conference 2017 reuniu especialistas nacionais e internacionais, em mais de 20 palestras, sobre os temas da cibersegurança e ciberameaças.

A cargo da Globinnova, em parceria com a Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico do Porto, o evento apresentou as melhores práticas e soluções no combate ao cibercrime.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)