Barra Cofina

Correio da Manhã

Tecnologia
4

Robô ‘Philae’ só durou 72 horas

Chegou ao fim a viagem de dez anos do robô que acompanhou a sonda Rosetta.
João Saramago 15 de Novembro de 2014 às 13:35
O robô ‘Philae’
O robô ‘Philae’ FOTO: Agência Espacial Europeia

Apenas 72 horas depois de aterrar no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, o robô Philae apagou-se. O Centro Nacional de Estudos Espaciais (CNES) divulgou este sábado que o robô Philae deixou de funcionar. Os últimos dados foram recebidos sexta-feira à noite. Na origem da sonda ter-se "apagado" está um problema com as baterias.

"Já não recebemos dados. Perdemos o contato", disse Philippe Gaudon, chefe do projeto Rosetta no CNES, com sede em Toulouse, na França. Estava então anunciando o fim da viagem de dez anos do robô, que durante 72 horas enviou dados do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko.


A falha nas comunicações resultou de um problema de energia. O robô aterrou na quarta-feira num local do cometa escuro onde apenas há luz hora e meia por dia. Para conseguir funcionar a sonda teria de ter aterrado num local que lhe permitisse uma exposição à luz solar de sete horas.

Agência Espacial Europeia orgulhosa do sucesso científico da missão

Apesar de o robô Philae só ter funcionado durante 72 horas, os responsáveis pela missão da Agência Espacial Europeia estão satisfeitos com os resultados obtidos. "Essa máquina funcionou magnificamente em condições duríssimas e podemos estar orgulhosos do incrível sucesso científico que o Philae produziu", explicou Stefan Ulamec, um dos responsáveis pela missão.

A sonda com um peso de cem quilos funcionou até agora com um pilha que tinha um tempo de validade de 60 horas. A partir deste sábado deveriam entrar em funcionamento as baterias. Estas nunca estiveram operacionais por não receberam energia solar suficiente para ficarem carregadas.

Centro Nacional de Estudos Espaciais CNES Philippe Gaudon Rosetta Toulouse robô philae
Ver comentários
C-Studio