Barra Cofina

Correio da Manhã

Tecnologia
1

Sílica indica que há vida em Marte

Os depósitos de sílica quase pura descobertos em Marte em 2007 pelo robô norte-americano ‘Spirit’ foram formados por vapores vulcânicos, por géiseres ou até mesmo pelos dois, que atravessaram o solo e podem conter pistas de vida passada.

24 de Maio de 2008 às 00:30
Cientistas analisaram os depósitos de sílica transportados pelo ‘Spirit’
Cientistas analisaram os depósitos de sílica transportados pelo ‘Spirit’ FOTO: Lusa

A descoberta de depósitos de sílica na cratera de Gusev, situada na região equatorial, foi objecto de um estudo detalhado, cujos resultados das análises foram agora publicados pela revista norte-americana ‘Science’.

'Na Terra, os depósitos hidrotermais andam de mão dada com a vida e a sílica, encontrando-se próximos destas aberturas, que contêm frequentemente fósseis de restos de micróbios', afirma em comunicado Jack Farmer, da Universidade do Estado do Arizona e um dos autores do estudo.

'Não sabemos se este é o caso da sílica encontrada pelo ‘Spirit’, uma vez que o robô é desprovido de instrumentos que possam detectar vida microscópica', acrescenta. 'O que podemos dizer é que este ambiente foi habitável com água líquida e presença de fontes de energia necessárias para a vida', conclui.

Ver comentários