Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
3

Investigador considera organização de festival da Eurovisão uma oportunidade estratégica

Estudo estima que custos não ultrapassem os 30 milhões de euros.
16 de Maio de 2017 às 15:55
Vitória de Salvador Sobral garantiu a organização do festival a Portugal
Vitória de Salvador Sobral garantiu a organização do festival a Portugal FOTO: Reuters
A oportunidade estratégica de realizar o Festival da Eurovisão 2018, em Portugal, tem repercussões que estão muito para além do concurso, defende o investigador Jorge Mangorrinha considerando que o evento gerará retornos superiores ao investimento.

Organizar a edição 2018 do Festival da Eurovisão "é uma oportunidade de investimento e não uma despesa", disse à Lusa Jorge Mangorrinha, autor de vários estudos sobre a Eurovisão, defendendo que Portugal deve aproveitar "a oportunidade estratégica" de realizar o evento cujas repercussões "estão muito para além do concurso propriamente dito".

Para o investigador da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, "importa ver este fenómeno eurovisivo tal como se apresenta a concorrência que existe na economia do turismo à escala mundial" já que o certame é potenciado por "uma rede em constante evolução, de povos e lugares que transcendem as fronteiras históricas da Europa, com efeitos nas correntes turísticas".

"A presença de dezenas de milhares de visitantes durante duas semanas é um desafio, não só para a RTP, mas também para o Governo, as empresas e a capital portuguesa", considera Mangorrinha, que nos dois últimos anos desenvolveu um estudo sobre como Lisboa se deverá preparar para receber o festival.

O anteplano que coordenou no quadro académico, "exercitando já essa possibilidade organizativa em Portugal, passou por admitir as variáveis essenciais: infraestruturas, transportes, plano de emergência e segurança, hotelaria, comércio, animação diurna e noturna, capacidade de carga dos espaços e especificidade da procura turística, com impactos físicos, culturais e económicos", explicou.

O estudo não deixa dúvidas de que Lisboa "tem condições para receber o Festival da Eurovisão", já que "o MEO Arena em particular e o Parque das Nações em geral, designadamente a estrutura da FIL, capacitam a cidade para o espetáculo e para os eventos paralelos, para além das praças principais da Baixa, que podem ser polos alternativos de atuação e promoção da música, nos dias antecedentes à final".

O facto de Portugal ser um país "com atrações reconhecidas (clima, luz, história, cultura, tradições, gastronomia, hospitalidade e diversidade concentrada) e de a marca 'Lisboa', em particular, ser reconhecida e premiada em termos internacionais" concorrerá, no entender do investigador, para um aumento da procura turística, designadamente "dos países "escandinavos e do Leste", aqueles em que "mais se faz sentir o entusiasmo pelos festivais da Eurovisão".

Para o autor do estudo, "os 20 a 30 milhões de euros de despesa [com a realização] podem ser recuperados ou ultrapassados em retorno, a curto, a médio e a longo prazo" no pressuposto de que "organizar é antes do mais prever estrategicamente", estudando em detalhe as parcerias a estabelecer e a criação de condições para a maximização da atratividade do evento, quer para os turistas quer para os residentes.

Ou seja, "obter amplo suporte público antes, durante e depois" de o festival gerar dividendos, "em termos de conhecimento, imagem, economia, cultura, reputação, estatuto e orgulho local", sublinhou Jorge Mangorrinha.

Porém, defendeu ainda o investigador, "a responsabilidade da RTP não se esgota na organização do festival em maio de 2018", devendo passar, também, por "promover a pedagogia nas suas grelhas de programação e alargar culturalmente os seus horizontes".

Até porque o festival será simultaneamente um desafio para a promoção da música portuguesa à qual "muitos se quererão juntar agora, até profissionalmente, mesmo que tenham sido, antes, preconceituosos acerca do tema", concluiu Mangorrinha.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)