Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
7

A última viagem de Artur Agostinho

Foi um adeus emotivo a Artur Agostinho. Largas centenas de pessoas reuniram-se ontem, em Lisboa, na igreja de São João de Deus e no cemitério de Benfica, para onde seguiu a urna do comunicador.
24 de Março de 2011 às 00:30
Cavaco condecorou Agostinho, três dias depois de ter comemorado 90 anos (fazia anos no Dia de Natal)
Ao lado de Paulo Bento, na época em que esteve treinava o Sporting
Ao lado de José Eduardo Moniz e Virgílio Castelo
Ao lado da mulher, numa cerimónia em 2004
Lançamento do seu mais recente livro de memórias, apresentado por Marcelo Rebelo de Sousa
Entregou a petição 'Verdade Desportiva' no Parlamento
Artur Agostinho fez história graças aos seus relatos desportivos na rádio
Na sua última entrevista dada ao 'Correio da Manhã', em sua casa
Foi um rosto acarinhado ao longo de várias décadas
Sempre bem disposto, Artur Agostinho recordou percurso na conversa que deu ao 'CM'
Ao lado de Maria José Valério, com quem partilhava a paixão pelo Sporting
Artur Agostinho esteve presente na homenagem a Eusébio da RTP
Ao lado de Isabel Figueiras e Júlio Isidro numa das galas de homenagem de que foi alvo
Percurso foi também assinalado com Globo de Ouro, entregue por Pinto Balsemão
Ao lado de Cavaco Silva e da primeira-dama, no dia da condecoração
Artur Agostinho na apresentação da obra 'Ficheiros Indiscretos'
Cavaco condecorou Agostinho, três dias depois de ter comemorado 90 anos (fazia anos no Dia de Natal)
Ao lado de Paulo Bento, na época em que esteve treinava o Sporting
Ao lado de José Eduardo Moniz e Virgílio Castelo
Ao lado da mulher, numa cerimónia em 2004
Lançamento do seu mais recente livro de memórias, apresentado por Marcelo Rebelo de Sousa
Entregou a petição 'Verdade Desportiva' no Parlamento
Artur Agostinho fez história graças aos seus relatos desportivos na rádio
Na sua última entrevista dada ao 'Correio da Manhã', em sua casa
Foi um rosto acarinhado ao longo de várias décadas
Sempre bem disposto, Artur Agostinho recordou percurso na conversa que deu ao 'CM'
Ao lado de Maria José Valério, com quem partilhava a paixão pelo Sporting
Artur Agostinho esteve presente na homenagem a Eusébio da RTP
Ao lado de Isabel Figueiras e Júlio Isidro numa das galas de homenagem de que foi alvo
Percurso foi também assinalado com Globo de Ouro, entregue por Pinto Balsemão
Ao lado de Cavaco Silva e da primeira-dama, no dia da condecoração
Artur Agostinho na apresentação da obra 'Ficheiros Indiscretos'
Cavaco condecorou Agostinho, três dias depois de ter comemorado 90 anos (fazia anos no Dia de Natal)
Ao lado de Paulo Bento, na época em que esteve treinava o Sporting
Ao lado de José Eduardo Moniz e Virgílio Castelo
Ao lado da mulher, numa cerimónia em 2004
Lançamento do seu mais recente livro de memórias, apresentado por Marcelo Rebelo de Sousa
Entregou a petição 'Verdade Desportiva' no Parlamento
Artur Agostinho fez história graças aos seus relatos desportivos na rádio
Na sua última entrevista dada ao 'Correio da Manhã', em sua casa
Foi um rosto acarinhado ao longo de várias décadas
Sempre bem disposto, Artur Agostinho recordou percurso na conversa que deu ao 'CM'
Ao lado de Maria José Valério, com quem partilhava a paixão pelo Sporting
Artur Agostinho esteve presente na homenagem a Eusébio da RTP
Ao lado de Isabel Figueiras e Júlio Isidro numa das galas de homenagem de que foi alvo
Percurso foi também assinalado com Globo de Ouro, entregue por Pinto Balsemão
Ao lado de Cavaco Silva e da primeira-dama, no dia da condecoração
Artur Agostinho na apresentação da obra 'Ficheiros Indiscretos'

A despedida juntou caras conhecidas do mundo do desporto, do jornalismo e da cultura, áreas a que Agostinho dedicou 72 anos de carreira, mas também anónimos que acompanharam o longo percurso do profissional de rádio, televisão e cinema.

Ao longo da manhã, foram muitas as personalidades que prestaram a última homenagem ao jornalista. Mas a igreja acabou por ser pequena para acolher todos os admiradores do radialista, que se despediram com um forte aplauso. Muitos não contiveram a emoção, como o apresentador Júlio Isidro que, visivelmente comovido, não conteve as lágrimas e disse apenas estar a despedir-se de "um pai".

Sportinguista ferrenho, a paixão de Artur Agostinho pelo clube de Alvalade era tão conhecida como a sua imparcialidade nos relatos de futebol que o tornaram conhecido e querido pelo público. Ontem, para além da bandeira do Sporting que envolveu o caixão, o adeus ao antigo director do jornal ‘Record' fez-se também de bandeiras e lenços vermelhos, de adeptos benfiquistas que recordaram um homem sem clube aos microfones. "Era um locutor incomparável. Quando eram 23h00 em Dili, 15h00 em Portugal, nós tínhamos esperado o dia inteiro para ouvir os relatos porque sabíamos que era o Artur", conta o admirador Leopoldino Soriano sobre a década de 60 em Timor-Leste.

A surpresa da morte foi grande para amigos como Nicolau Breyner. "Morreu uma criança, tinha um espírito muito jovem e capaz de embarcar em aventuras. Era um professor e uma referência para todas as gerações", disse.

A cultura, a humildade e a justiça para com os colegas de profissão, que o tratavam por ‘mestre', foi apontada por todos que com ele trabalharam. O futuro director de informação da RTP Nuno Santos, que colaborou com Artur Agostinho na Rádio Comercial, sublinha "a generosidade ilimitada, a capacidade de ensinar, mas também de aprender, que lhe permitiu uma vida rica".

"NÃO QUERIA SER ESTRELA"

Com 72 anos de carreira, Artur Agostinho deixa memórias a várias gerações. "Era um bom comunicador, pela cultura e pela humildade com que o fazia, sem querer ser estrela", considerou Maria José Folque, vizinha do jornalista. "O País fica sempre a dever a estes homens, e vou recordá--lo como um homem de carácter".

FÃS TÊM SAUDADE DE O VER NA TV

"Era uma pessoa inteligente e muito humilde", elogia Maria de Fátima, uma das centenas de fãs que ontem estiveram presentes na despedida ao apresentador, que faleceu aos 90 anos. "Não aparentava a idade que tinha, no entanto, agora via-o pouco na televisão", lamentou a admiradora.

CINTRA APONTA "GRANDE PERDA PARA O SPORTING E PARA O PAÍS"

Artur Agostinho dedicou grande parte da carreira a acompanhar o universo desportivo, não só pelos relatos de futebol mas também nas páginas do ‘Record', que dirigiu durante 13 anos. Ontem, os candidatos à presidência do Sporting Dias Ferreira e Bruno de Carvalho foram presenças discretas no adeus ao jornalista, onde estiveram ainda o treinador José Couceiro e o ex-líder do clube de Alvalade Sousa Cintra. Este apontou "a grande perda para o Sporting e para o País de um homem da cultura e do saber, que privilegiava os amigos". O antigo jogador do Sporting Hilário e o seu colega benfiquista José Augusto também estiveram no funeral.

artur agostinho funeral jornalista comunicador actor morte lisboa
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)