Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
2

Aviso ao Presidente trama as escutas

Cumpriu-se ontem mais um dia de filmagens de ‘Corrupção’ nos arredores de Lisboa. Desta vez, a cena tem por cenário uma rua junto à casa do ‘Presidente’ (papel interpretado por Nicolau Breyner) onde, numa carrinha, o ‘Inspector Luís’ (António Pedro Cerdeira) e dois inspectores da PJ, se encontram a fazer uma escuta.
3 de Setembro de 2007 às 00:00
António Pedro Cerdeira no papel do ‘Inspector Luís’
António Pedro Cerdeira no papel do ‘Inspector Luís’ FOTO: Bruno Colaço
Os homens da PJ tentam, em vão, ouvir o que se passa na casa. Mas, apesar de todos os seus esforços, as escutas não estão a resultar. E tudo o que eles conseguem captar é, apenas, um desesperante ruído.
João Botelho, o realizador de ‘Corrupção’, manda repetir a cena para retirar uma mesa que se encontrava no campo visual. À palavra “acção”, os actores repetem as suas falas. São imprevistos inerentes a um dia de filmagens, que nem os ensaios regulares conseguem evitar.
CONVERSA IMPORTANTE
Esta cena da carrinha surge no filme na sequência de uma já gravada anteriormente, em que o ‘Presidente’ e os seus companheiros têm uma conversa dentro da residência.
No interior da casa do ‘Presidente’, este encontra-se com o seu ‘Advogado’ (André Gomes), o ‘Vice-Presidente’ (Virgílio Castelo) e ‘Sofia’ (Margarida Vila-Nova). Falam em tom de voz baixo.
‘Luís’ sabia que a conversa travada entre os quatro era muito importante para as investigações. Mas, para seu desespero, e dos colegas, não consegue ouvir nada. Apreensivo, ‘Luís’ começa a desconfiar e fica mesmo convencido de que alguém ajudou o ‘Presidente’ a encontrar o equipamento de escutas, colocado dentro de casa. A suspeita aumenta e o ‘Inspector’ desconfia mesmo que alguém, na própria Polícia Judiciária, tenha dado com a língua nos dentes.
SUPORTAR O CALOR
Apesar da brisa que se fazia sentir na tarde de ontem, a equipa de ‘Corrupção’ mostrava algum incómodo com o calor. Inesperadamente, e sem que nada o desse a entender, o realizador João Botelho fez uma pausa nas gravações e apareceu no ‘set’ em calções de banho. Sozinho, mergulhou na piscina, até agora usada apenas para cenário do filme, e deu umas braçadas, para descontrair da tensão do filme.
Findo o momento de pausa, João Botelho voltou ao seu trabalho: “Acção” deu a ordem para as novas cenas.
APRENDER COM OS MELHORES: Irís Reis, Estagiária de realização
Irís Reis, licenciada em cinema pela Universidade Lusófona, procurou estágios e teve a sorte de encontrar entre os melhores: na curta-metragem ‘The End’, de Vítor Candeias, depois ‘Julgamento’, de Leonel Vieira, e agora ‘Corrupção’, de Botelho. No dia 10, quando fez 27 anos, a equipa deu-lhe um bolo e cantou-lhes os parabéns, o que a deixou sensibilizada. ‘Amor Roubado’, de Leonel Vieira, é o próximo trabalho
ARTIFÍCIOS DE FILMAGEM
Apesar de terem gravado durante o dia, a equipa de ‘Corrupção’ conseguiu imprimir a necessária escuridão do ambiente nocturno à cena das escutas. A carrinha foi colocada no acesso ao interior da garagem da casa e coberta com uma enorme flanela preta para simular o escuro da noite e evitar assim a passagem de luz. Mais tarde, já com os actores a gravarem outra cena, a carrinha foi posta na rua, para então se filmar a cena exterior da noite com a verdadeira luz nocturna.
PRÓXIMAS CENAS
‘Sofia’, pensativa, retira da carteira um papel com o n.º de telefone de ‘Luís’. Um automóvel conduzido por ‘Sofia’ faz sinais de luzes e entra no portão. Ela e os cavalheiros são recebidos.
A CARRINHA
No interior do veículo, os actores simularam a cena das escutas. A equipa de produção fez questão de ter tudo a postos para as cenas seguintes.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)