Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
3

ENDEMOL NÃO DÁ VISIBILIDADE A ALGUMAS MARCAS

Toda a roupa de marca que os familiares dos concorrentes da ‘Quinta’ levam à Endemol para ser entregue aos ‘fazendeiros’ posteriormente é controlada pela produção.
24 de Novembro de 2004 às 00:00
A explicação dada ao CM por Pedro Curto, da Endemol, é que “as regras do jogo não permitem roupas cujas marcas são demasiado óbvias ou explícitas”. Certo é que o CM apurou que há uma grande ‘revolta’ por parte de alguns familiares dos ‘fazendeiros’ que “não concordam” que Castelo Branco “possa passar o tempo todo a falar de Chanel e Gucci, não tendo os outros a mesma visibilidade para falarem da marca que os patrocina”.
Pedro Curto defende que “Chanel e Gucci são de um universo internacional não patrocinável”. Pergunta-se: Gant ou Timberland não são marcas internacionais?
Mónica usa a linha ‘Salsa Rodeo’ mas “não está obrigada a falar da marca ou fazer referência a ela”, disse Rubim o namorado da cantora.
Cinha Jardim também tem tido problemas em usar roupas Gant por “serem demasiado óbvias”. De acordo com fonte próxima da ‘tia’, “há roupas que não passam e são devolvidas”. Confrontada pelo CM com este facto, a irmã de Cinha preferiu remeter-se ao silêncio.
Outro concorrente que, de certa forma, lesa o patrocínio é Jorge Monte Real, que usa a marca Timberland. Segundo os amigos do Conde, “é desagradável porque eles estão a ‘vender’ uma imagem e têm de dar retorno ao patrocinador”. Os concorrentes já perceberam que a única forma de “passar a mensagem” é nas galas durante o tempo em que estão no escritório, em pleno directo.
Ver comentários