Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
4

Malato passa-se com a produção

José Carlos Malato ‘passou-se’ com a produção do ‘Sexta à Noite’ uma hora antes de o programa de anteontem ir para o ar. O apresentador do talk show já falou com o director de Programas da RTP 1, José Fragoso, sobre o caso e diz que uma maior dose de criatividade será determinante para o formato.
2 de Março de 2008 às 00:30
José Carlos Malato teve, anteontem, uma discussão acalorada com a produção da Valentim de Carvalho. O apresentador assume-o. Hugo Andrade, director adjunto de Programas da RTP 1, assim que soube do caso, foi logo para os estúdios. Em causa esteve uma decisão de última hora no alinhamento do programa. “Como se chegou a um impasse, tive de ser eu a decidir. Para o bem e para o mal, sou o rosto do programa, tive de decidir e levantei a voz”, conta Malato ao CM.
“Faz-me confusão uma produção musculada”, afirma Malato, que, de forma indirecta, critica a alegada falta de criatividade da equipa da Valentim de Carvalho, dirigida por Paula Moura, a qual não esteve anteontem nos estúdios de Paço de Arcos. Diz o apresentador: “Temos de trabalhar mais. Temos de ser mais criativos.”
Uma produção “musculada”, no caso de um projecto novo, que não estava testado, como é o ‘Sexta à Noite’, “até é bom”, confessa Hugo Andrade. O essencial, na óptica do directo adjunto de Programas da RTP 1, é o empenho de todos no sentido de o formato estar afinado o mais rapidamente possível. Aliás, anteontem, no sexto programa, que ainda não chegou aos 20% de share (ver gráfico), já se viu a secretária mais próxima dos sofás onde Malato senta os convidados, evolução reconhecida pelo rosto do talk show e por Hugo Andrade.
Malato, depois de falar com Andrade, esclareceu tudo com José Fragoso. E promete não atirar a toalha ao chão. “Temos, reafirmo, de trabalhar mais. Temos de ser mais criativos”, conclui o apresentador.
AUDIÊNCIAS
Data / Espectadores / Share
25/01 - 493 600 - 17,4%
01/02 - 434 100 - 16%
08/02 - 388 900 - 13,9%
15/02 - 452 600 - 13,6%
22/02 - 529 500 - 18,3%
29/02 - 453 800 - 15,5%
Ver comentários