Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
3

Manhãs infantis

Os programas infantis têm tudo menos inocência. É a excessiva violência como educação dispensável.
2 de Setembro de 2005 às 00:00
Ao sábado e ao domingo de manhã os canais generalistas continuam a devotar a maior parte da sua grelha a programas infantis. Ou que, teoricamente, se dedicam a um público infantil. Muito provavelmente grande parte dos pais nem sequer tem a noção do que ali se vê, entre anúncios às telenovelas do fim do dia, onde ‘slogans’ como ‘infidelidade’ e ‘traição’ surgem de meia em meia hora.
Quem se dedicar a ver com atenção estes espaços, durante algumas horas, a que é que assiste? A desenhos animados onde a violência é, na generalidade, uma constante, onde histórias de carinho ou amizade quase desapareceram do mapa. Todos são super-heróis e a destruição é a sua motivação comum.
Quem se recorda da ‘Heidi’, da ‘Rua Sésamo’ ou dos desenhos animados da Disney e vê, agora, o que as crianças tomam como pequeno-almoço na televisão ao fim-de-semana, ficará por certo em choque. Até nos podemos interrogar: como era a sociedade antes da forma como se educa as crianças ser assim? Agora é uma luta sem tréguas pela vitória.
Estes programas infantis preparam os mais jovens para a selva em que se tornaram as sociedades modernas. O seu efeito é semelhante ao do hipnotismo. O problema é que a televisão é, nalguns casos, tão importante para os mais pequenos como a escola primária. Com a diferença de que não há professores por perto.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)