Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
6

Manuel Teixeira nega pressões

Manuel Teixeira, chefe de gabinete de Rui Rio, negou ontem em Tribunal as acusações de Paulo Morais, ex-vereador da Câmara do Porto, relativamente a pressões políticas exercidas pela Câmara junto da Rádio Festival, que alegadamente terão levado à demissão do jornalista Alfredo Barbosa.
28 de Junho de 2006 às 00:00
“Nunca falei em pressões; uma coisa é exercer a minha opinião onde quer que me encontre, outra é pressionar A, B ou C”, disse Manuel Teixeira na última audiência antes da sentença, adiantando que “a alteração de um jornalista faz parte da dinâmica de uma estação” e que “a linha programática mantêm-se”.
Recorde-se que a Festival foi vendida por José Neves, em 2002, a Luís Montez, genro de Cavaco Silva, ficando o ex-proprietário como director-geral da estação. No contrato foi estipulado que a linha editorial e a programação se manteriam por quatro anos, o que, segundo Neves, não se verificou, pelo que intentou a acção contra Luís Montez. Neves, que foi apresentado a Montez por Manuel Teixeira, acusou este de interferir na estação, nomeadamente através de idas de Rui Rio a programas da rádio, à sua revelia. Esta tese foi apoiada por Paulo Morais, ex-número dois da Câmara do Porto, na audiência anterior, em que acusou o chefe de Gabinete de Rio de, em conversa, ter referido pressões da Câmara junto da Rádio Festival para despedir o antigo jornalista de ‘A Bola’. A sentença está marcada para dia 14 de Julho.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)