Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
7

Meninas testam futuros sacerdotes

Um canal norte-americano de televisão por cabo encontrou em Deus um novo caminho para captar audiências. Pegou em quatro jovens candidatos a padres e confrontou-os com a libido, para saber se estavam preparados para uma vida em celibato.
29 de Abril de 2006 às 00:00
O ‘reality show’ chama-se ‘God or the Girl’ (Deus ou a mulher), foi tolerado pelos bispos dos EUA, mas não seria bem recebido em Portugal.
O programa, produzido sob a forma de documentário, passou pela primeira vez no canal A & E, no Domingo de Páscoa. E as reacções não se fizeram esperar. A Liga Católica de Religiões e Direitos Civis lançou várias críticas aos produtores da série, em particular aos ‘spots’ de promoção que exibiam uma rapariga de aspecto sensual e provocante. As acusações, porém, foram abandonadas após uma tomada de posição favorável ao programa, divulgada pela Conferência Episcopal dos Estados Unidos.
Confrontados com a falta de candidatos a seminaristas, após o escândalo com os sacerdotes homossexuais, os bispos norte-americanos viram no programa um meio para captar uma nova audiência e divulgar a fé cristã. “Finalmente, a tele-realidade encontrou-se com a religião”, declararam, adiantando que a série trata com respeito “uma passagem importante da vida”.
Apesar do desconhecimento generalizado do projecto, a adaptação desta ideia aos ecrãs nacionais não seria bem acolhida. “É teatro a mais para um decisão tão íntima”, afirmam responsáveis da Igreja portuguesa.
A OPÇÃO É 'DEUS OU A MULHER'
MAL ACEITE POR CÁ
'TUDO MUITO ARTIFICIAL' (D. Januário Torgal Ferreira, Bispo das FA)
“Teatralizar tentações é inculcar no espírito do público que o sacerdócio é uma profissão medíocre, cheia de tentações. Se a intenção é discutir o tema das vocações, por que é que não se sentam todos à mesma mesa e debatem a questão de forma séria e aberta? Assim, parece tudo muito artificial.”
'HAVERÁ ALGO ESCONDIDO' (D. Manuel Martins, Bispo Emérito de Setúbal)
“O casamento não implica que se ponha Deus de parte. E, nesse caso, dá a impressão que se trata de uma escolha entre Deus e uma rapariga ou entre Deus e o Diabo. Não há ninguém numa caminhada vocacional que não tenha dúvidas, mas isso não é para ser exposto. Deve haver alguma coisa escondida, mais lasciva.”
'METODOLOGIA REPROVÁVEL' (José Luís Borga, padre)
“É um programa totalmente artificial. A vocação é de uma privacidade tal que não é para se expor. Qualquer rapaz que saia de um ‘reality show’ com sentido de vocação, ou está enganado, ou está a enganar. Esse caminho, reprovável pela metodologia, só serve para garantir o entretenimento.”
Ver comentários