Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
7

NOITE DE MÚSICA

Edmundo e Rodrigo nomeados na ‘Operação Triunfo’, da RTP1. Catarina foi expulsa da ‘Academia de Famosos’, da TVI.
25 de Fevereiro de 2003 às 00:00
OPERAÇÃO TRIUNFO

Rodrigo e Edmundo estão prestes a ver o sonho da sua vida desfeito. Depois de terem sido nomeados pelo júri - João Gobern, crítico de música e jornalista, Lúcia Moniz, cantora, Jaime Fernandes, assessor da RTP, Renato Júnior, produtor musical da BMG, Paulo Sousa Martins, assessor da produtora Gestmusic, e Álvaro Ramos, produtor de espectáculos -, os dois jovens têm agora uma semana até à expulsão da próxima gala de "Operação Triunfo". Na noite das primeiras nomeações, Flora foi a primeira concorrente a ser salva pelo público. Nádia, Rodrigo, Edmundo e Rita foram nomeados pelo júri. Os colegas salvaram Rita e os professores Nádia. Restaram Edmundo e Rodrigo.

RITA GUERRA E A EUROVISÃO

Dos três temas que Rita Guerra cantou na gala de anteontem, um será o escolhido pelo público para representar Portugal no Festival da Eurovisão, na Letónia. Sem revelar o seu favorito, a cantora deu voz a Prazer no Pecado”, “Estes Dias Sem Fim” e “Deixa-me Sonhar”.

A canção vencedora será interpretada na terceira gala
da “Operação Triunfo”, no próximo domingo,
dia 2 de Março.


ACADEMIA DOS FAMOSOS

Catarina Cabral foi a segunda “vítima” da “Academia de Famosos” (TVI). A cantora disputou a saída com Wanda Stuart e Excesso, mas acabou por ser a eleita. “Something Got a Hold on Me” (dos Vaya Con Dios) e o original “Dá-me um Sinal” foram os temas interpretados por Catarina, que não convenceram o júri: Paulo Junqueira, da editora EMI-Valentim de Carvalho, que dividiu a mesa com Júlia Pinheiro (TVI) e Van Dijck (músico). Catarina achou a sua expulsão justa. “Comecei há poucos meses e não tenho a segurança que a maior parte deles tem”, disse. Para a jovem, injusto foram as duas nomeações de Wanda Stuart, a sua favorita à vitória.

CONSENSOS SÃO A MAIOR SECA

Júlia Pinheiro foi um dos elementos do júri e surgiu de “língua afiada”. “Não faz sentido ter um júri se não existirem tensões. Os consensos do júri são a maior seca da história”, afirmou a jornalista, referindo que existem “dois ou três” famosos que deviam seguir outra vida. Júlia disse ainda que a continuação de “Eu Confesso” não está em risco. “(...) tivemos que fazer um compasso de espera, vamos retomar o programa na sua ideia original mas deixámos o formato mais aberto”.
Ver comentários