Noticiários em queda

Tempo excessivo dos noticiários e alteração dos hábitos sociais afastam espectadores dos canais generalistas.
02.09.05
  • partilhe
  • 0
  • +
Noticiários em queda
Foto Fotomontagem CM
No País em que a duração dos principais jornais televisivos é superior ao dos seus congéneres europeus, há indícios de que algo está a mudar. Segundo um estudo da Marktest, divulgado em Agosto, a duração total das notícias nos noticiários regulares das quatro estações que emitem em sinal aberto decresceu 12,7% entre Janeiro e Junho. E a respectiva audiência média caiu, no mesmo período, de 822.900 espectadores para 709.400, o que representa uma quebra de 16,2%. Nesta descida, apenas a 2: constitui excepção. Será que os telespectadores se mostram desinteressados da informação televisiva que lhes é servida?
“Já promovi um estudo, que compreendeu mil e tal contactos, em que a maioria dos inquiridos afirmou achar que os noticiários eram excessivamente longos”, afirmou à Correio TV o crítico televisivo Eduardo Cintra Torres. Este especialista chama a atenção para o facto de no estudo da Marktest o mês de maior audiência, Janeiro, ter coincidido com um período particularmente agitado da vida política nacional, subsequente à demissão de Santana Lopes e anterior às eleições legislativas, “durante o qual as pessoas se interessaram extraordinariamente pela situação do País e pela informação.” No entanto, este pico, que marcou o início do período em apreço, não invalida a tendência de baixa registada no primeiro semestre. A excepção aconteceu em Março, mês em que o governo de José Sócrates tomou posse e anunciou as suas primeiras medidas.
Em Portugal, a duração dos blocos noticiosos das 20 horas, incluindo os intervalos, equivale ao dobro – chegando mesmo a ultrapassar em algumas ocasiões – dos noticiários de outros países. É o que se passa com o ‘Telejornal’ (RTP1), cuja emissão raramente é inferior a uma hora, conforme anunciado na respectiva grelha, enquanto o italiano ‘Telegiornale Sera’ (RAI Uno, 20h00), dura apenas meia hora. No Reino Unido, o ‘BBC News at Ten O’Clock’ (22h00), da BBC One, limita-se a 25 minutos de notícias. Estações de outros países difundem noticiários um pouco mais longos, como a francesa France 2 (‘Journal’, 20h00) e a belga La Une, da francófona RTBF (‘Jornal Télévisé’, 19h30), ambos de 45 minutos. Em França, podemos ainda encontrar um espaço de informação com duração de 50 minutos: o ‘Journal de 20 h’ da privada TF1.
No cenário europeu de notícias servidas com alguma economia de tempo, o também privado Channel 4 (Reino Unido) e a pública TVE, da vizinha Espanha, apresentam hábitos semelhantes aos nossos. Com efeito, tanto o ‘Channel 4 News’ (19h00) como o ‘Telediário - 2’ de La Primera (21h00), prolongam-se por 60 minutos. No entanto, nestes casos, uma hora é uma hora. “Habituámo-nos, em Espanha, a cumprir os horários”, afirma Ramon Font, correspondente da TVE em Portugal.
O telespectador sabe que isso não acontece em Portugal. O ‘Jornal Nacional’ da TVI de 23 de Agosto terminou às 21h18, isto é, 18 minutos após a hora anunciada pela estação de Queluz para o início do programa seguinte. A maior parte dos exemplos escolhidos aleatoriamente proporcionam a mesma constatação. No bloco noticioso emitido em 6 de Julho, o pivot Pedro Pinto despediu-se dos telespectadores às 21h29. Bom conhecedor da realidade portuguesa, Ramon Font, que se revela satisfeito com o modelo espanhol, admite que os jornais televisivos portugueses “são, de facto, um pouco longos”. E adverte: “Actualmente, com as alternativas [cabo], não surpreende que se registe uma redução de audiências nos noticiários.”
Deve-se sublinhar que essas alternativas incluem, também, dois canais noticiosos portugueses, a SIC Notícias e a RTPN. E no domingo, 28 de Agosto, o cabo, que tem vindo a aumentar a sua quota de mercado em Portugal, bateu novo recorde: 18,9%. A chamada de atenção é feita por Eduardo Cintra Torres, que aponta outro mal dos noticiários das 20 horas do mês de Agosto: o excessivo tempo de cobertura dos incêndios nas zonas rurais. “Ninguém suporta diariamente meia hora e mais de fogos!”, desabafa.
De facto, num estudo feito pela Marktest, o ‘Telejornal’ (RTP1) cuja audiência média fora de 9,7% entre 1 e 28 de Junho, baixou para 9,1% em igual período de Agosto, mês este em que se verificaram os mais longos tempos noticiosos dedicados a incêndios. O ‘Jornal Nacional’ (TVI) seguiu a mesma tendência, passando de 10,5% para 9,8%. Apenas o ‘Jornal da Noite’ (SIC) escapou a esta baixa, embora o seu aumento seja ligeiro (de 8,7% para 8,8%). Em 22 de Agosto, Ramon Font preparou uma reportagem sobre os incêndios em Portugal, para emitir pela TVE no próprio dia. “Hoje, a TVE trata da situação dos incêndios cobrindo o que se passa na Galiza e em Portugal, apesar de haver outros incêndios noutros locais”, sublinhou.
Em 23 de Agosto, enquanto a RTP1 transmitia um jogo de futebol, a SIC e a TVI dedicaram 27 e 41 minutos, respectivamente,nos seus noticiários das 20h00, aos muitos fogos que nesse dia devastaram vastas áreas entre Melgaço e Tomar. Em Portugal, os repórteres das diferentes estações deslocam-se com frequência de Norte a Sul, transmitindo pormenorizadamente o que se passa. A realidade das emissões televisivas regionais, vigente em Espanha, França e Reino Unido, entre outros países, é desconhecida entre nós. Pelas 18h28, a BBC London News emite diariamente um bloco de 32 minutos e, às 22h25, mais dez minutos de informação destinada ao público da região de Londres. Em Espanha, onde a televisão regional está implantada, assiste-se agora a um outro fenómeno. “Em Barcelona já há dois canais locais, isto é, de bairro”, sublinha Ramon Font. Estas estações, que chegam a difundir para 200 mil pessoas, cobrem a realidade que interessa sobretudo, ou exclusivamente, ao seu público. Desta forma, “a televisão pública agarra todos os dias em dois ou três temas nacionais que são de interesse, trata-os com atenção e não se dispersa”, explica Ramon Font.
Os intervalos que interrompem os blocos noticiosos da RTP1, SIC e TVI são outro problema da informação das 20 horas em Portugal. Nove minutos no ‘Telejornal’ (RTP1) de 30 de Junho, 13 minutos no ‘Jornal da Noite’ (SIC) de 1 de Julho, 11 minutos no ‘Jornal Nacional’ (TVI) de 6 de Julho são exemplos colhidos ao acaso. Subtraindo este tempo do da totalidade de cada bloco noticioso, verifica-se que o serviço informativo não é tão longo quanto aparenta. Na semana de 15 a 21 de Agosto, o tempo de emissão de quatro dos jornais da RTP1 não chegou a uma hora. No entanto, se quer ver tudo, o telespectador sente-se retido. “Os intervalos aumentam muito a duração dos noticiários”, constata Eduardo Cintra Torres.
RTP1: REDUÇÃO DOS TELEJORNAIS
Há dois meses, Luís Marinho, director de informação da RTP disse, em entrevista ao jornal ‘Público’, que a estação pública encarava a hipótese de reduzir a duração dos seus espaços noticiosos, dando informação curta e precisa. A Correio TV tentou recolher a opinião de Luís Marinho, que não se mostrou disponível para comentar o assunto.
SIC: MODELO ACTUAL É VÁLIDO
Ricardo Costa, director-adjunto de informação da SIC, não acredita que as estações portuguesas optem por reduzir a duração dos seus espaços noticiosos. “Em Portugal, a tendência passa por concentrar os géneros jornalísticos no interior dos noticiários. E a audimetria revela que a audiência cresce à medida que o noticiário avança”, afirma.
TVI: UMA HORA É FORMATO IDEAL
Para Mário Moura, director adjunto de informação, em Portugal a TV é o veículo primordial de acesso à informação: “Lemos poucos jornais pelo que é preciso apresentar os factos, enquadrá-los e compará-los com situações similares. Sobre o mesmo tema, podemos fazer três ou quatro peças. Não queremos fornecer informação superficial”.
EVOLUÇÃO DE AUDIÊNCIAS DOS NOTICIÁRIOS (Audiências médias de 1 a 28 de cada mês)
TELEJORNAL (RTP1) - 9,7% (Junho), 9,1% (Agosto)
JORNAL DA NOITE (SIC) - 8,7% (Junho), 8,8% (Agosto)
JORNAL NACIONAL (TVI) - 10% (Junho), 9,8% (Agosto)
NA EUROPA
Muitas das estações estrangeiras dedicam menos de uma hora aos respectivos serviços noticiosos. Os exemplos abaixo mencionados referem-se a estações tanto públicas como privadas. Os nomes entre parênteses identificam os canais que emitem os noticiários seleccionados.
REINO UNIDO
Nome: BBC News at Ten o’clock (BBC one)
Hora: 22h00
Duração: 25 minutos
Nome: Channel Four News
Hora: 19h00
Duração: 55 minutos
FRANÇA
Nome: Journal
Hora: 20h00
Duração: 45 minutos
Nome: Journal de 20h
Hora: 20h00
Duração: 50 minutos
ESPANHA
Nome: Telediario 2 (la primera)
Hora: 21h00
Duração: 60 minutos
ITÁLIA
Nome: Telegiornale Sera
Hora: 20h00
Duração: 30 minutos
BÉLGICA
Nome: Journal Télévisé
Hora: 19h30
Duração: 45 minutos
A EXCEPÇÃO BRITÂNICA
Ao contrário da concorrência, o Channel 4 apresenta um noticiário de 60 minutos. Dorothy Byrne garante à Correio TV que o público aprecia esse formato “porque lhes permite aceder a histórias tratadas em profundidade, algo que não encontram noutros canais.” A responsável considera que “30 minutos contam o que se passa mas só uma hora explica porquê.”
NOTICIÁRIO A QUALQUER HORA
O primeiro semestre de 2005 assinala nova subida nas audiências dos canais de informação do cabo. Ricardo Costa, director da SIC Notícias, relaciona o facto com a alteração da sociedade portuguesa. “Já não existem horários padronizados”, diz. “As pessoas passaram a consumir informação quando querem e podem.”
ACTUALIDADE ELÁSTICA
Algumas reportagens sobre temas avulsos contribuem para a longa duração de alguns noticiários das 20 horas. No ‘Jornal Nacional’ (TVI) de 6 de Julho, 21 minutos foram dedicados ao tema do desemprego. O trabalho estava recheado de importante informação, mas poderia ser emitido dois meses antes ou dois meses depois sem perda de actualidade.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!