Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media

"O Jornal Nacional de 6ª era caro" (ACTUALIZADA)

Além de contestar que o ‘Jornal Nacional de 6.ª’, da TVI, fosse líder de audiências, Juan Herrero disse que aquele produto “ era caro” e que não se recordava da média de audiências que o bloco informativo fazia.
23 de Abril de 2010 às 18:46
Herrero diz que 'Jornal de 6ª' continua, mas que se chama 'Jornal Nacional'
Herrero diz que 'Jornal de 6ª' continua, mas que se chama 'Jornal Nacional' FOTO: Pedro Catarino

“Às vezes o jornal liderava, outras vezes não. A RTP é a estação que mais faz audiências nos jornais. Nunca o ‘Jornal de 6’ foi sistematicamente líder. Talvez em 20 ou 30 % das vezes tivesse batido a concorrência”, disse na comissão parlamentar que decorreu esta sexta-feira.

Juan Herrero atribuiu à administração da TVI a decisão de extinguir o ‘Jornal de 6’ da TVI.

O administrador da Media Capital admitiu, no entanto, que "provavelmente" o desagrado público do primeiro-ministro com o 'Jornal de 6.ª' da TVI terá pesado na SUA suspensão, destacando queixas da ERC e do sindicato dos jornalistas.

Questionado pela deputada do CDS-PP Cecília Meireles sobre se a contestação do primeiro-ministro, José Sócrates, àquele jornal pesou na decisão de o suspender, Juan Herrero afirmou que "provavelmente sim".

"Cada dia tínhamos mais queixas de diferentes instituições governamentais e não só, do Sindicato dos Jornalistas", afirmou, clarificando depois que se referia "fundamentalmente à ERC" quando citou "instituições governamentais".

O administrador disse que a mudança de pivot do 'Jornal de 6ª' "era uma hipótese" em cima da mesa na decisão de "modificar o jornal" e que a decisão não partiu de alguém em concreto e foi tomada no conselho de administração.

Herrero sublinhou que a suspensão do ‘Jornal Nacional de 6ª’ da TVI, foi “uma decisão da administração da TVI” e garantiu “desconhecer a existência de mais documentos sobre o caso Freeport, porque não sei que informações têm os jornalistas”.

JORNALISTAS COM LIBERDADE

Herrero sublinhou ainda que "os jornalistas têm liberdade para divulgarem o que quiserem e quando considerarem oportuno". E acrescentou: "Nunca recebi informação sobre o que os directores de informação vão pôr na antena."

O administrador da Media Capital diz ainda que "a equipa de jornalistas que fazia investigação no ‘Jornal de 6ª', está integrada na redacção e faz investigação se necessário". E fez questão de referir que "o ‘Jornal de 6ª' não saiu do ar, continuamos a tê-lo, mas chama-se ‘Jornal Nacional'".

"DESCONHEÇO SE HOUVE CONTACTOS ENTRE SÓCRATES E A PRISA"

“Nunca a PT deu a entender à Media Capital que um acordo com o grupo implicaria a aquisição de 30% da empresa. E também não conheço outras iniciativas da PT nesse sentido”, afirmou o administrador executivo da Media Capital.

Questionado pelo deputado do Bloco de Esquerda, João Serrano, sobre se essas negociações tinham sido “difíceis”, Juan Herrero respondeu: “No mundo dos negócios tudo é difícil para quem quer comprar e vender.” O mesmo empresário afirmou “desconhecer se houve contactos com o primeiro-ministro José Sócrates” quando a Prisa adquiriu a Media Capital.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)