OS PORTUGUESES PRECISAM DE RIR

O actor Octávio Matos, de 65 anos, está de regresso à televisão, depois de três anos de ausência – o seu último trabalho foi na novela ‘Ganância’ (SIC) – e em dose dupla: ‘Os Batanetes’ e ‘O Prédio do Vasco’, duas séries de humor, estreadas em Abril, que se revelaram uma boa aposta para a TVI.
08.06.04
  • partilhe
  • 0
  • +
Em ‘Os Batanetes’, o conhecido actor encarna o papel de um recém--reformado, ‘Aníbal’. Já em ‘O Prédio do Vasco’, veste a pele de ‘Acácio’, um homem que está sempre “às turras” com a mulher, ‘Felisberta‘ (Natalina José).
Octávio Matos conta com satisfação que, na rua, as pessoas o abordam e falam sobre os dois personagens que desempenha na TVI. “Já tenho uma carreira muito grande, faltam dois anos para fazer 50, e é sempre muito agradável ser reconhecido, sobretudo pelos mais novos”.
Para o actor, o sucesso das duas séries deve-se ao actual estado do País.“Os portugueses precisam de rir, devido à situação do País. Eles querem é divertir-se, porque para tristezas já basta o que basta... ”
Mas, antes de ‘Aníbal’ e ‘Acácio’, Octávio Matos esteve cerca de três anos afastado do pequeno ecrã. E o actor confessa que não foi fácil ficar sem trabalhar, quer na televisão quer no teatro, durante tanto tempo. Valeu-lhe o espectáculo de revista itinerante, que protagoniza juntamente com doze outros artistas.
ARTISTA DESDE OS QUATRO ANOS
Octávio Matos entrou na vida artística aos quatro anos, ao lado do pai, também Octávio de Matos, que além de actor era também ilusionista. “Na altura o nome artístico do meu pai, como ilusionista, era Ling Chong e, nos anos 40, os ingleses consideram-no o melhor do Mundo. E eu, apesar de muito pequeno, também fazia números de ilusionismo”, recorda.
Mas, a sua estreia como actor deu-se na então Lourenço Marques, hoje Maputo, capital de Moçambique, numa revista infantil (1957), também com quatro anos. Fez revista, teatro e cinema, o último dos quais, ‘A Cruz de Ferro’, de Jorge Brum do Canto (1969), e recebeu “todos os prémios que havia para ganhar na altura”.
Nos seus 48 anos a representar, Octávio Matos recorda com saudade a revista ‘Põe-te na Bicha’, levada à cena no Teatro ABC, no Parque Mayer, “logo a seguir ao 25 de Abril de 1974” . “Foi a revista que até hoje mais dinheiro fez. Foi uma coisa impressionante. A casa estava sempre cheia”, refere.
Dos seu vasto currículo fazem também parte as comédias ‘O Gato’, ‘Sexo Nunca. Somos Britânicos’, ‘Boing Boing’, além de mais de meia dúzia de novelas portuguesas, onde representou pequenos papéis, excepto, em ‘Primeiro Amor’, que lhe valeu uma personagem com mais relevo.
Octávio Matos sonha um dia ter um programa seu na televisão. “Gostava de ter um programa que se pudesse chamar o ‘Programa do Octávio’. Adorava fazer uma ‘sitcom’. Pode ser que um dia aconteça...”, conclui.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!