Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
7

PLURALISMO É ESSENCIAL

No dia do lançamento do livro do correspondente da SIC no Médio Oriente, Henrique Cymerman, Francisco Pinto Balsemão não quis falar da crise no Governo mas não deixou de se referir à importância dos media como veículos de informação, em especial neste período que apelidou de “complicado.”
4 de Dezembro de 2004 às 00:00
Balsemão, que considera que o jornalismo “não é o quarto poder”, reforça no entanto a convicção de que esta área é decisiva como veículo de informação, sem descurar a missão que deve cumprir no sentido de “permitir que as pessoas façam os seus próprios juízos de valor sem interferência de interesses económicos, políticos ou quaisquer que eles sejam”.
“Em breve vai haver um teste decisivo para o País e a generalidade do jornalismo que fazemos”, afirmou ainda, durante o lançamento de ‘Entrevistas no Centro do Mundo’, o livro de Henrique Cymerman, que contou com o posfácio assinado por si ( e prefácio do presidente da República, Jorge Sampaio).
A este propósito, o Presidente da Impresa (grupo que gere a SIC, entre outras empresas) elogiou ainda o correspondente que “tem de saber equilibrar as fontes”, mesmo tendo em conta que “ninguém dá notícias que não lhes interesse”. Além do rigor e isenção apontados a Cymerman, Balsemão frisou ainda a importância dos media preservarem os “valores democráticos, como veículos de opiniões e não de opinião”.
Questionado pelo CM se esta declaração não poderia ser interpretada como um recado à TVI [pelo facto de ter mantido em antena, durante quatro anos, os comentários políticos de Marcelo Rebelo de Sousa] – Balsemão acrescentou ainda: “Pode haver a tendência de privilegiar certas correntes de opinião, até porque estão mais na moda ou são mais jornalisticamente correctas e eu acho que não existe jornalismo correcto, só existe jornalismo”.
Quanto à eventualidade da escolha de Rebelo de Sousa como comentador da SIC, Balsemão reafirma a opção editorial de Alcides Vieira, director de informação do canal: “O nosso formato de colaboração não é o que existia na TVI, gostámos sempre de ter vários colaboradores, referiu, rematando: “O pluralismo é essencial.”
ISRAEL E A PALESTINA DÃO AS MÃOS
Durante a apresentação da colectânea de entrevistas de Henrique Cymerman, que ontem decorreu na Fnac do Chiado (um mês mais tarde do que o previsto devido à morte de Arafat, que obrigou o correspondente a rumar ao Médio Oriente), destacaram-se duas figuras. Issam Besseisso, embaixador da Autoridade Palestiniana, e Aharon Ram, embaixador de Israel, cumprimentaram-se entusiasticamente, num sinal que Balsemão reconheceu como “muito positivo”. Ou, como diria o autor das entrevistas com as mais relevantes figuras do Médio Oriente, “a presença dos embaixadores simboliza o espírito do livro”. Uma outra forma de renovar a esperança porque, reforça ainda Cymerman, “a paz há-de chegar”.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)