Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
3

Só três em quinze dizem ter pago

Apenas três entre 15 entidades públicas contactadas pelo CM, entre elas um ministério, assumem ter pago pela inserção de publicidade no encarte de 24 páginas que a revista ‘Paris-Match’ dedicou ao nosso país e no artigo encomendado à ‘Fortune’. Ainda assim, contrariamente ao Instituto Português dos Museus (IPM) e à Transtejo/Soflusa, só o Instituto Geográfico de Portugal (IGP) revela a verba paga: 32 mil euros. O Governo não assume responsabilidades.
20 de Novembro de 2006 às 00:00
A Presidência do Conselho de Ministros, interpelada pelo nosso jornal, apontou o Ministério da Economia como interlocutor governamental nas iniciativas promovidas pela francesa ‘Paris-Match’ e pela edição europeia da norte-americana ‘Fortune’. O gabinete de Imprensa daquele Ministério nega ter conhecimento do assunto, dizendo que, talvez, tenha sido tratado por “organismos autónomos”.
O nosso jornal solicitou esclarecimentos a todas as entidades publicitadas nas aludidas revistas, mas só cinco responderam. E duas, o Instituto do Desporto de Portugal (IDP) e o Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, garantem não ter gasto um cêntimo, até porque ninguém lhes pediu dinheiro.
O coronel engenheiro geográfico Arménio dos Santos Castanheira, presidente do IGP, garantiu, ao CM, que “os custos de inserção publicitária na revista ‘Paris-Match’ e respectivo destacável foram de 32 mil euros. A decisão foi tomada “na sequência de um contacto estabelecido por representantes da revista”.
Mas se o IGP diz ter sido contactado pela revista gaulesa, o IPM, que também confirma o pagamento da publicidade, através da vice-presidente Clara Camacho, refere ter-se tratado de uma “iniciativa do próprio Ministério da Cultura”. Contudo, o custo – não revelado, apesar de solicitado por escrito – foi “suportado pelo próprio Instituto. É uma verba muito contida”, diz.
A Transtejo/Soflusa, sociedade anónima constituída por capitais públicos, também assume o pagamento dos anúncios, “como é habitual” – explica o administrador João Pintassilgo –, quando uma publicação solicita uma entrevista ao representante de uma empresa: “Há sempre uma abordagem paralela no sentido de aferir o interesse dessa empresa para a eventual inserção de publicidade.”
A ‘Paris-Match’ e a ‘Fortune’ não fazem comentários. A revista gaulesa não respondeu à solicitação do nosso jornal e a secretária de Andy Bush, director editorial da ‘Fortune’, informou que este nada tinha a acrescentar relativamente ao que já afirmara ao semanário ‘Sol’, ou seja, que o artigo foi mesmo pago, até porque o próprio nome da secção é ‘Special Advertising Section’, o que, em português, significa ‘Secção de Publicidade Especial’. Mas não revelou a proveniência do pagamento.
As empresas privadas que colocaram publicidade nas duas revistas foram também abordadas pelo CM, mas, neste caso, não tinham obrigação de responder. De todas, só a Lisnave, onde o Estado detém ainda uma pequena participação, respondeu. A assessoria de Imprensa garantiu que os estaleiros navais foram directamente contactados pela ‘Fortune’ e remeteu a revelação do valor gasto no anúncio para a apresentação do próximo Relatório e Contas.
O QUE DIZ A OPOSIÇÃO
PSD
"Não vejo nenhum inconveniente no gasto de verbas públicas. O que mais me preocupa é a estratégia de silêncio e de opiniões contrárias a este respeito. Só age assim quem tem problemas de consciência." - Agostinho Branquinho, deputado
BLOCO DE ESQUERDA
"Sou assinante de várias revistas estrangeiras e considero esta iniciativa normal. Já acontecera nos governos de Guterres e Durão Barroso. O que não faz nenhum sentido é esta hesitação em esclarecer o assunto." - Francisco Louçã, deputado
INTERPELADOS PELO 'CM'
NÃO RESPONDERAM
- Instituto de Turismo de Portugal
- ICAM
- IPPAR
- Águas de Portugal
- Carris
- Metropolitano de Lisboa
- Metro do Porto
- Companhia das Lezírias
- Porto de Lisboa
- Rede Eléctrica Nacional
NÃO PAGARAM
- Instituto do Desporto de Portugal
- Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas
ASSUMEM PARCIALMENTE
- Transtejo/Soflusa
- Instituto Português dos Museus
ASSUME TOTALMENTE
O Instituto Geográfico Português foi a única entidade pública a assumir totalmente o pagamento da publicidade inserida no encarte da revista ‘Paris-Match’, revelando até o valor envolvido: 32 mil euros. O seu presidente, o coronel engenheiro geográfico Arménio dos Santos Castanheira, relembra que o organismo se encontra “envolvido em inúmeros projectos europeus de especial relevância” para justificar a quantia gasta.
O facto de trabalharem com “tecnologias de informação e comunicação” também é referido, a par das funcionalidades do seu ‘site’ (www.igeo.pt), para apostar numa “oportunidade de difusão do IGP e, consequentemente, do incremento do licenciamento dos seus produtos no espaço alargado europeu”.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)