Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media

“Trabalhei o meu percurso. Não apareci do nada”

Aos 35 anos, é um dos principais rostos da SIC Notícias. Pivô do ‘Jornal da Meia-Noite’, revela que sempre quis trabalhar em TV, embora continue a sentir nervosismo quando aparece no ecrã
1 de Março de 2013 às 15:00

O que diferencia o ‘Jornal da Meia-Noite’, da SIC Notícias?

A dinâmica, tem um ritmo mais acelerado do que os outros, e vamos à procura de histórias e ângulos diferentes dos outros noticiários.

É a primeira mulher a apresentar este noticiário.

É verdade. Uma das frases mais engraçadas que ouvi quando me escolheram foi: ‘Ainda bem que é uma mulher nesse horário, já fazia falta uma mulher à meia-noite’.

Herdou um espaço desenhado pelo Pedro Mourinho. Tem autonomia para fazer alterações?

Estamos sempre preocupados em inovar, não estamos de braços cruzados. Tentamos sempre introduzir pequenas mudanças.

Gosta deste horário?

É um horário difícil. As jantaradas acabaram, a não ser ao fim de semana. Mas o produto é estimulante. Está-me a dar um grande gozo.

Que feedback recebe?

Quando estou fora da SIC sou muito diferente. Não me maquilho, ando completamente informal, e, portanto, não é fácil identificar-me. Mas quando identificam, as pessoas são muito simpáticas.

Sempre quis ser jornalista?

O meu objetivo sempre foi fazer TV ou rádio. Depois de terminar o curso tinha de fazer um estágio e a minha prioridade foi a SIC. Comecei a 6 de outubro de 1999. Foi caótico porque, além de ser o dia de aniversário do canal, foi o dia em que a Amália [Rodrigues] morreu.

E pivô?

Não pensava ser pivô mas, acima de tudo, em fazer TV. Agora que faço, sinto-me muito bem, estou sempre a aprender, nunca acho que sei tudo. Cada vez que vou para o ar vou sempre com um nervosinho.

Começou como pivô nas madrugadas da SIC Notícias…

Sim, fi-lo pela primeira vez uma semana depois de a minha mãe morrer. Funcionou como um escape, agarrei-me àquilo com unhas e dentes.

Ambiciona apresentar um noticiário na generalista?

A vida ensinou-me a não fazer planos. Agora, claro que gostava. Era sinal de que as pessoas gostam do meu percurso e do meu trabalho. A acontecer, será uma consequência natural. Mas não penso nisso. O meu percurso foi trabalhado, degrau a degrau. Não apareci do nada.

Teve tempo para ir para o terreno?

Não muito. Fiz sobretudo acidentes e diretos. Não tenho grande trabalho de terreno.

Ter tido pouco experiência como repórter não a prejudica enquanto pivô?

Não, não… Desde que estejamos informados sobre os procedimentos do terreno e estejamos a par da atualidade.

Gostava de experimentar outras redações, como a RTP ou a TVI?

Mudar faz bem. Até agora não se proporcionou, mas não digo que não. Tenho vários exemplos de pessoas que mudaram e cresceram ainda mais.

PERFIL

EXPERIÊNCIA NO BRASIL

Natural de São Julião da Barra, em Oeiras, licenciou-se em Comunicação. Estudou no Rio de Janeiro. "Foi uma das coisas mais fantásticas que tenho no meu percurso", diz, arrependida por não ter ficado no Brasil. "Se o tempo voltasse atrás, tinha feito tudo para ficar." Voltou a Portugal em 1999, começando a estagiar na SIC, ao mesmo tempo que trabalhava na rádio. Em 2004 inicia funções como pivô da SIC Notícias.

marisa caetano antunes pivô jornalista sic notícias
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)