Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
7

UM EXEMPLO DE CORAGEM

Hugo Silva não passou da terceira fase das eliminatórias do Tivoli, mas mesmo assim é um dos grandes vencedores de "Ídolos". É que o facto de estar "preso" a uma cadeira de rodas, desde um acidente ferroviário sofrido em 1996, não o impediu de mostrar ao Mundo o seu talento e de dar a todos um exemplo de coragem e presistência.
27 de Outubro de 2003 às 00:00
Só há alguns anos Hugo Silva, de 25 anos, descobriu que tinha um bom timbre vocal e daí a marcar presença assídua em sessões de "karaoke" foi um passo. Desde então, divide o seu tempo entre o trabalho (é operador de redes de fibra óptica) , o basquetebol e o canto, tendo já conseguido a vitória em alguns concursos musicais.
Mas foi a insistência da namorada que levou Hugo a participar em "Ídolos", experiência da qual "só guarda boas memórias", conforme contou ao CM.
"Valeu a pena participar. Especialmente pelo convívio que se gerou entre os concorrentes na terceira fase do Tivoli. Eram só 134 concorrentes, tivemos de trabalhar em grupo e isso aproximou as pessoas de tal forma que nem sequer se notava que aquilo era uma competição. Fiquei a conhecer melhor aquilo que posso fazer com a voz e deu-me muita motivação para aprender música", disse Hugo que logo de seguida fez "voz grossa" e acrescentou entre risos: "Além disso, aprendi como enfrentar um júri".
A deficiência física nunca foi sentida como um entrave. Hugo recordou que o júri "nunca se referiu à cadeira de rodas ou à sua imagem". "No primeiro 'casting' , eles já deviam ter sido avisados por alguém da produção, porque reagiram logo com muita naturalidade. De resto, analisaram sempre e só a minha voz".
O que "tramou" Hugo foi o tema "Jura" de Rui Veloso, já na terceira fase do Tivoli. "O júri achou que a minha interpretação foi descompassada. A minha prestação em inglês , com o tema ‘Even Flow’, dos Pearl Jam, na fase anterior, tinha corrido melhor. Eu adoro a música dos Pearl Jam e, talvez por isso, a voz saia melhor quando canto aquilo que gosto".
De resto, Hugo é um verdadeiro autodidacta. "Nunca me senti especialmente vocacionado para a música, apesar dos incentivos do meu tio, que é mestre de música. Curiosamente, participar no programa deu-me vontade de aprender e até estou a pensar em começar a tocar um instrumento".
A participação de Hugo é, per si, um exemplo de determinação e força de vontade mas, como se não bastasse, o jovem fez questão de deixar uma mensagem a outros deficientes: "As pessoas que acreditam que têm qualidade devem tentar. Não pensem sequer duas vezes".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)