Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
5

UMA RECEITA QUE DÁ MILHÕES

Os ingleses inventaram o formato, os norte-americanos deram-lhe projecção do outro lado do Atlântico e o resto do mundo depressa se rendeu ao concurso. ‘Quem Quer Ser Milionário?’ foi lançado há apenas seis anos, mas já fez história no pequeno ecrã. Segunda-feira está de regresso a Portugal…
4 de Setembro de 2004 às 00:00
UMA RECEITA QUE DÁ MILHÕES
UMA RECEITA QUE DÁ MILHÕES FOTO: d.r.
‘Quem Quer Ser Milionário?’ fez a sua estreia no canal britânico ITV em Setembro de 1998 e, desde então, o formato rapidamente percorreu o mundo, tendo sido exibido em mais de 100 países. O formato simples e apelativo do programa e o facto de apostar no ‘suspense’, em detrimento da rapidez na resposta às questões, ao contrário do que é habitual nos concursos, tornou-o num grande êxito em todo o globo. Apesar de ter nascido em Inglaterra, onde continua a ser um dos concursos preferidos dos telespectadores, a versão indiana (‘Kaun Banega Crorepati?’), transmitida pela estação Star TV e apresentada por Amitabh Bachchan, uma lenda viva do cinema no seu país, é considerada a mais popular, tendo batido sucessivos recordes de audiências desde a estreia, em 2002.
Em Inglaterra, onde é apresentado por Chris Tarrant, o concurso – criado e produzido por uma pequena empresa, a Celador, a qual alcançou renome internacional graças a este formato – vai na 15ª edição e promete continuar. Por lá passaram quase mil participantes e foram atribuídos cerca de 60 milhões de euros em prémios. Na televisão britânica, sob a designação de ‘Who Wants To Be a Millionaire?’, o concurso atingiu o auge em Março de 1999, quando uma das emissões chegou a 19,2 milhões de espectadores.
A estação norte-americana ABC importou o formato em 1999 e, embora tenha mantido o título original, retirou-lhe o ponto de interrogação, uma vez que na TV norte-americana existe uma superstição sobre a utilização daquele sinal de pontuação nos títulos. Embora os resultados na televisão americana tenham sido comparativamente inferiores aos observados em Inglaterra, no ano de estreia o concurso teve uma média de audiência de 29 milhões de espectadores.
Regis Philbin, o primeiro apresentador da versão norte-americana do concurso – entretanto substituído por Meredith Veira – é um veterano do pequeno ecrã que ganhou o seu primeiro Emmy, em mais de 30 anos de carreira, graças ao seu trabalho neste programa. Apesar de Philbin ter levado para casa o galardão com o nome mais sonante, não é o único apresentador premiado do formato ‘Quem Quer Ser Milionário?’. Günther Jauch, que dá cara à versão alemã do concurso (‘Wer Wird Milliönar?’), conquistou três prémios, o Golden Kamera Award, o Goldene Hene e o Bayerische Fersehpreis, e a edição grega conquistou dois troféus Ethnos.
VARIANTES DA FÓRMULA
Embora o formato seja bastante semelhante nos países onde é exibido, foram introduzidas pequenas alterações que o adequam ao gosto de cada tipo de público.
No Brasil, por exemplo, o ‘Show do Milhão’, emitido pela SBT e apresentado por Sílvio Santos, contava com um sorteio para seleccionar o concorrente, eliminando a primeira fase do original. Os participantes indianos, por seu turno, são questionados em duas línguas, o hindu e o inglês.
Em vários países, entre eles Inglaterra, EUA e Portugal, realizam-se emissões especiais cujos concorrentes são celebridades, e os prémios revertem a favor de instituições de beneficência.
Outra variante, introduzida na Inglaterra e EUA, consiste na realização de emissões esporádicas, denominadas ‘Super Millionaire’, nas quais o prémio é superior ao habitual. O prémio máximo atribuído pelo ‘Super Millionaire’ norte-americano, apresentado por Regis Phibin, cerca de seis milhões de euros, é o maior de todas as edições do concurso.
Para além das edições já referidas, ‘Quem Quer Ser Milionário?’ existe em países como o Azerbeijão, China, Colômbia, Filipinas, Turquia, Taiwan, Paquistão, Uruguai, Kazaquistão, Canadá, Vietname, Japão, Lituânia, Irlanda, Polónia e Israel, entre muitos outros.
A FÁBRICA DAS IDEIAS
O formato ‘Quem Quer Ser Milionário?’ foi criado por uma pequena produtora britânica, a Celador. Embora contasse com poucos recursos, a empresa apostou na criatividade dos seus profissionais e acabou por alcançar a internacionalização em 2000, graças ao sucesso do programa. Para além do célebre concurso, muitos outros formatos já saíram da Celador, como ‘Britain’s Brainiest’, adaptado em Portugal com o título ‘Mentes Brilhantes’, concurso emitido pela SIC e apresentado por Bárbara Guimarães.
A Celador desenvolveu também uma parceria com o comediante de ‘stand-up’ Jasper Carrot, que escreveu e protagonizou várias séries de comédia para a BBC1, entre elas ‘The Detectives’, ‘24 Carrot Gold’ e ‘Canned Carrot’. Entre outras produções, a Celador criou ainda ‘Commercial Breakdown’ (BBC1), uma série dedicada a anúncios humorísticos e ainda os concursos ‘Gibberish’ (BBC1) e ‘Crazy Comparisons’ (ITV).
No campo da Sétima Arte, a produtora estreou-se com ‘Estranhos de Passagem’ (2002), realizado por Stephen Frears e protagonizado por Audrey Tautou, e prepara-se para lançar ‘A Way Through the Woods’, com Rupert Everett e Tom Wilkinson.
INDIANOS RENDIDOS
A versão indiana do concurso ‘Quem Quer Ser Milionário?’ deve grande parte do seu sucesso ao apresentador, Amitabh Bachchan, uma vedeta de Bollywood, o equivalente indiano a Hollywood. Aos 61 anos, Bachchan, filho do poeta Harivansh Rai Bachchan, conta no seu currículo com mais de 150 películas, entre elas alguns dos maiores sucessos do cinema indiano.
Bachchan alcançou grande protagonismo a partir da década de 70, em papéis de galã, mas continua bastante activo, tendo participado em mais de dez filmes lançados este ano. O célebre intérprete foi o primeiro actor indiano a ser imortalizado numa figura de cera no Museu da Madame Tussaud, em Londres.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)