Barra Cofina

Como enfrentar o segundo confinamento? Ordem dos Psicólogos cria guia com dicas

Ansiedade e o stress provocados por este segundo confinamento serão diferentes dos sentidos em março e abril, da primeira vez que o País se recolheu em casa.
Por Catarina Cruz 14 de Janeiro de 2021 às 17:03
Confinamento
Confinamento FOTO: Pexels

Portugal entra esta sexta-feira no segundo confinamento geral devido à pandemia da Covid-19, que deverá ter a duração de um mês, e a Ordem dos Psicólogos criou um guia com dicas para gerir as emoções e relacionamentos nesta fase, assim como sugestões para organizar o dia a dia e garantir o seu bem-estar.

Segundo a Ordem dos Psicólogos, a ansiedade e o stress provocados por este segundo confinamento serão diferentes dos sentidos em março e abril, da primeira vez que o País se recolheu em casa. Desta vez, há um risco maior de infeção, aliado à "fadiga da pandemia", ao impacto psicológico do primeiro confinamento e à situação de crise sanitária e socioeconómica que se tem vindo a acentuar nos últimos meses.

A Ordem dos Psicólogos sublinha que é normal, nesta fase, a sensação de angústia, tristeza, medo, incerteza, desgaste, cansaço, frustração e que "é natural que tenhamos dúvidas sobre como vamos ‘sobreviver’ a um novo confinamento".

Nesse sentido, a Ordem criou uma "caixa de ferramentas para manter a saúde psicológica", com conselhos divididos por diferentes áreas.

Entre as sugestões para a gestão emocional neste período estão: aceitar as emoções e sentimentos, bem como a incerteza e imprevisibilidade da situação; aprender estratégias para a gestão da ansiedade e do stress; partilhar o que sente e expressar os afetos; reforçar as relações sociais e reduzir as possibilidades de conflito.

Na organização do dia a dia e promoção do bem-estar, a Ordem dos Psicólogos destaca a importância de, em teletrabalho, se separar a vida profissional da vida pessoal; manter as rotinas e bons hábitos de sono; fazer exercício físico e alimentar-se de forma saudável; dedicar-se a atividades que lhe deem prazer e estabelecer objetivos e expectativas realistas.

Notícias Recomendadas
Família

O meu filho é homossexual: e agora?

É possível que ‘sair do armário’ nem sempre seja uma tarefa fácil — ainda mais quando tal sucede em plena adolescência. O testemunho de uma mãe que não desistiu da felicidade do filho e aprendeu com ele pelo caminho.