Barra Cofina

Bebés também podem aprender linguagem gestual

Conseguem aprender até 40 palavras, como leite, mais ou cão. A instrutora de Baby Signs diz que com esta ajuda ficam menos frustrados e fazem menos birras.
Por Vanda Marques 11 de Outubro de 2019 às 16:30
Correu para a mãe, sem dizer uma palavra, a abrir e a fechar a mão, de braço esticado. A bebé, de pouco mais de um ano, parecia apressada. Sabla D’Oliveira achou aquela forma de pedir colo muito bizarra. Mas como a prima era inglesa podia ser uma coisa cultural. "Achei estranho. Depois percebi que afinal ela estava a pedir leite. A mãe dela explicou-me que era linguagem gestual e estranhou que não se conhecesse em Portugal", conta. Sabla estava longe de imaginar que hoje seria formadora certificada em Baby Signs, a ensinar pais e educadoras de infância. Mas, afinal, de que falamos?

A linguagem gestual para bebés – Baby Signs – consiste em ensinar gestos a crianças até aos dois anos, para que possam explicar o que querem. São movimentos fáceis, como o "mais" (juntar as pontas dos dedos de cada mão) ou leite (abrir e fechar a mão). "Este método ajuda a desenvolver a linguagem, aumenta a auto -estima e confiança dos bebés, além de desenvolverem o léxico emocional, pois conseguem indicar que estão zangados, tristes ou felizes. Além disso, em vez de terem comportamentos mais agressivos, como bater e chorar, têm desenvolvimento emocional mais positivo", conta Sabla D’Oliveira, de 37 anos.

Depois daquela experiência, a psicóloga decidiu pesquisar mais sobre o método criado nos anos 80 pelas psicólogas Linda Acredolo e Susan Goodwyn. O Baby Signs foi um caso em que a necessidade aguçou o engenho. Quem nunca desesperou ao tentar decifrar o choro de um bebé? Será leite? Água? A chucha? "Linda reparou que a filha, de um ano, quando queria brincar com flores fazia o gesto de franzir o nariz a fungar. A partir daí começou a ensinar mais gestos e foi buscar alguns à língua gestual americana." O método foi evoluindo e realizaram-se estudos sobre as suas vantagens. Hoje, o programa é reconhecido pela Academia Americana de Pediatria.

Mais bolinhas de sabão
Manuel Coutinho, psicólogo e secretário-geral do Instituto de Apoio à Criança, defende que este método pode reforçar a relação entre pais e filhos. "Uma boa comunicação pais-filhos é essencial para o bom desenvolvimento harmonioso da criança. O método Baby Signs pode ser uma boa opção, o gesto auxilia na estrutura do pensamento e na sua transmissão a terceiros. Se existirem pais que sentem que a sua utilização valoriza e melhora a comunicação deles com filhos, óptimo."

Sabla – filha de pais cabo-verdianos, que nasceu por acaso na Rússia e veio viver para Portugal aos 10 anos – tornou-se instrutora em 2009. Primeiro era apenas um part-time e sobretudo em creches. Mas quando o filho nasceu, em 2013, investiu mais. "Na maternidade, já fazia os gestos de leite. Comecei a usar o programa por casa e aos 9 meses ele fez o primeiro gesto: papá. Foi um gesto adaptado. Como o pai é militar, ensinou-o a bater continência", recorda.

Aos 12 meses, o filho já fazia 30 gestos. Sabla diz que o método depende da persistência e consistência dos pais em repetir os sinais e do ritmo de cada criança. Dá workshops por todo o País, o último foi em Arruda dos Vinhos. Conta que a reacção das crianças surpreende nos momentos mais inesperados. "Recordo--me da história de uma mãe cujo filho estava muito rabugento depois de ter levado as vacinas. Ele, que comia tudo, não queria nada. De repente, fez o gesto do leite. Era só o que ele precisava e acalmou-se logo."

Em média, diz Sabla, os bebés aprendem entre 10 e 40 palavras. Mas há risco de se atrasar a linguagem oral? A psicóloga defende que não, porque quando conseguem verbalizar a palavra, deixam de usar o gesto. De referir que os pais, quando ensinam um gesto, devem sempre dizer a palavra ao mesmo tempo.

Foi o que Rita Gaspar, de 29 anos, fez até a filha Alice, com quase 8 meses, fazer o primeiro gesto. "Estávamos a fazer bolas de sabão e ela começou a fazer o gesto do mais. Não queria parar." Alice já tem 10 meses e consegue fazer mais de cinco gestos. "Como está habituada a ser ouvida, percebe melhor o que queremos dela e comunica facilmente", conta a mãe. Rita fez apenas um workshop, mas comprou os materiais de apoio e o DVD com mais gestos e músicas. Quer continuar a ensinar-lhe mais sinais. Os próximos são: banho e dormir. E se esses sinais evitarem uma birra, quem é que não vai tentar?
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Família

O meu filho é homossexual: e agora?

É possível que ‘sair do armário’ nem sempre seja uma tarefa fácil — ainda mais quando tal sucede em plena adolescência. O testemunho de uma mãe que não desistiu da felicidade do filho e aprendeu com ele pelo caminho.