Barra Cofina

1 em cada 4 portugueses tem rinite alérgica

Pingo no nariz, comichão, espirros consecutivos, pigarro e até vermelhidão dos olhos. Os sintomas, facilmente confundidos com o quadro clínico de uma constipação, alergia ou asma são, na verdade, manifestações da rinite alérgica.
13 de Janeiro de 2013 às 01:00
Existe uma ligação entre a asma e a rinite. Cerca de 80% dos asmáticos têm rinite alérgica
Existe uma ligação entre a asma e a rinite. Cerca de 80% dos asmáticos têm rinite alérgica FOTO: Getty Images

"A rinite alérgica pode ser caracterizada como uma inflamação das vias respiratórias superiores, após a exposição a um ou mais alergénios, que se pode manifestar de forma consecutiva ou por períodos de comichão, pingo no nariz quase transparente, obstrução nasal ou até comichão no céu-da-boca", explica João Fonseca, coordenador das Unidades de Imunoalergologia do Instituto CUF e do Hospital CUF do Porto.

Segundo o especialista, na altura do ano em que existem mais infeções pode ser mais difícil identificar este quadro clínico, mas não é impossível: "As infeções, nomeadamente nas crianças, acontecem um ou duas vezes por ano e a rinite tende a manifestar-se de forma mais persistente."

"A prevalência da rinite alérgica é de 23 a 26 por cento da população em geral. No entanto, a maioria tem uma rinite muito ligeira, facilmente controlada com anti-inflamatórios por via tópica ou nasal, que acalmam os sintomas e permitem que o doente tolere ambientes mais agressivos", acrescenta o alergologista.

Uma vez que se trata de uma doença crónica, em que não existe cura, pois não é possível eliminar a resposta do organismo a um determinado alergénio, nomeadamente ácaros, pólenes de plantas e árvores e pelos de animais, as vacinas antialérgicas são uma das opções terapêuticas disponíveis, mas que devem obedecer a indicações médicas muito rigorosas.

"As vacinas antialérgicas reeducam o sistema imunológico, para que durante muitos anos o doente seja menos sensível ao alergénio. São tratamentos importantes, mas que só devem ser utilizados quando existe uma relação muito concreta com o alergénio, sob pena de não ter qualquer efeito terapêutico e criar encargos desnecessários", conclui João Fonseca.

Discurso direto
"APARECE NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA", João Fonseca, Unidade Imunoalerg. Instituto CUF do Porto 

– O que se deve fazer quando surgem os primeiros sintomas?

João Fonseca – O primeiro passo deve ser procurar um especialista para que este possa avaliar o quadro clínico e saber se existe uma rinite alérgica, qual a causa e qual o tratamento mais adequado.

– A rinite alérgica afeta algum género ou grupo etário em particular?

– Não. Esta é uma patologia que pode aparecer em qualquer idade, quer nos homens quer nas mulheres, apesar de ser característica dos primeiros anos de vida, nomeadamente até à segunda década. As crianças também podem ter rinite alérgica, que se manifesta pelo nariz tapado e a pingar, sintomas que passam despercebidos.

O meu caso: Matilde Pereira

"Doença apareceu com asma"

Os primeiros sintomas do que viria a assumir a designação clínica de rinite alérgica surgiram quando Matilde Pereira tinha apenas quatro meses de idade.

"A rinite alérgica apareceu juntamente com a asma. Até então tinha o nariz congestionado, mas o primeiro ataque de asma aconteceu aos quatro meses. Fez cortisona e tratamentos para a asma", revela a mãe, Vânia Pereira, de 33 anos, residente em Custóias. O diagnóstico surgiu aos três anos.

Desde então foi submetida a uma cirurgia às adenoides e tomou várias vacinas. Hoje, aos 7 anos, já tem o seu estado de saúde controlado.

Saiba mais sobre esta doença no guia prático Médico em Casa, todos os dias nas bancas com o Correio da Manhã.

Sintomas
São semelhantes aos de uma constipação comum, mas podem durar 8-10 dias. O muco nasal é normalmente líquido e transparente, os espirros seguidos são frequentes e existe comichão no nariz e no céu da boca. Pode ser acompanhada de tosse, causada pelas secreções que escorrem pela garganta. As crianças costumam esfregar o nariz para aliviar a comichão e, por vezes, apresentam olheiras. 

Prevenção
  • Se tiver alergia aos pólenes, evite as idas ao campo, principalmente nos dias ventosos e soalheiros.
  • Se é facilmente afetado por conjuntivite alérgica, use sempre óculos de sol.
  • Nos colchões, use filtros de pólen e mantenha as janelas fechadas.
  • Se tem alergia a animais, evite tê-los em casa. 

Como se trata
O corticoide nasal é extremamente importante no tratamento da rinite e no seu controlo. Os colírios (gotas oculares) com medicamentos anti-histamínicos ou com corticoides melhoram os sintomas oculares, ainda que possam causar ardor transitório no olho.
Os colírios de lágrimas artificiais também podem aliviar a comichão.
Os anti-histamínicos orais são usados muito frequentemente nos períodos de crise. 

Tratamento complementar
Para aliviar os sintomas nasais, use soluções de lavagem nasal com água e sal ou soro fisiológico. Experimente um spray salino nasal para limpar a cavidade de partículas alergénicas. 
Relacionadas
Notícias Recomendadas
Bem Estar e Nutrição

Como reciclar as embalagens de cosmética

As marcas de beleza estão cada vez mais atentas ao ambiente, mas estaremos nós? Estas são os melhores conselhos para quando deita fora as embalagens de cosmética.

Família

Isabel Stilwell: "O politicamente correto não faz falta para nada"

O livro "Birras de mãe" dá continuidade a um troca de palavras entre Isabel e Ana Stilwell,, mãe e filha, durante a adolescência da segunda, com um diário para cada uma. Agora, as conversas (e as birras) ganham novas temáticas com um humor que só se consegue com a cumplicidade da maternidade.

Bem Estar e Nutrição

O livro que promete mudar a sua vida em sete semanas

Com um plano holístico, a health coach Cláudia Fonseca, autora do livro "Tudo aquilo que és", promete uma transformação interior e exterior num curto espaço de tempo. E que promete ficar para sempre.