Sub-categorias

Notícia

"A base de dados de ADN ainda é insuficiente", diz Carlos Farinha

Em Pedrógão, o ‘CSI’ da PJ foi chamado a ajudar a identificar mortos.
Por Tânia Laranjo|07.08.17
É diretor do ‘CSI’ da Polícia Judiciária, um órgão que tem sido determinante em muitas investigações criminais. Outra das valências é a identificação em cenários de exceção e os resultados mais recentes, em Pedrógão e Lamego, mostram a importância deste trabalho. A única crítica de Carlos Farinha vai para a base de dados de ADN, que continua a ser insuficiente.

Correio da Manhã – O que são os cenários de exceção?
– São cenários de geometria variável que convocam respostas multidisciplinares e que têm como denominador comum a complexidade além daquilo que é respondido pela resposta normal. O Instituto Nacional de Medicina Legal e a PJ desenvolveram esta valência e fomos chamados a ajudar na identificação das vítimas, por exemplo, do desastre do avião da Namíbia ou no Haiti. No plano nacional, foi também assim na catástrofe da Madeira, em Lamego e agora em Pedrógão.

– Que tipo de indicadores são usados na identificação?
– Temos os indicadores biométricos primários que são as impressões digitais, o ADN e a odontologia. Além destes há todos os outros dados - secundários - que podem contribuir para a identificação. Falamos de um adereço, uma peça de vestuário ou uma tatuagem. Em conjunto podem substituir-se aos primários.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Portugal

Exclusivos

Sócrates tenta calar CM

Sócrates tenta calar CM

Investigação do Correio da Manhã aos negócios de Maria Adelaide e Carlos Santos Silva irritavam José Sócrates.

pub