Sub-categorias

Notícia

Cadastrado faz burla milionária

Burlão está em prisão preventiva por ter assassinado taxista.
Por João Nuno Pepino|17.06.17
  • partilhe
  • 1
  • +
Um dos suspeitos de ter assassinado um taxista em Torres Novas, no início de maio, foi agora condenado a seis anos de prisão, num outro processo de burla qualificada, julgado no Tribunal de Santarém. O alegado homicida, Américo Lopes, de 56 anos, subtraiu 242 mil euros a um homem de 82 anos, que estava emocionalmente debilitado por ter acabado de ficar viúvo.

Este processo de burla começou a ser julgado a 6 de abril, com o arguido ainda recluso nas Caldas da Rainha. Entretanto, foi colocado em liberdade condicional a 18 de abril, sendo suspeito de ter morto o taxista António Pedro, de 69 anos, no dia 2 de maio. Recorde-se que Américo Lopes e um cúmplice, capturados numa pensão em Torres Novas, já andavam na mira das autoridades pelos sequestros de três mulheres.

Este processo de burla remonta a 2009, quando o idoso arrendou o rés do chão da sua casa, em Torres Novas, a Américo Lopes, sem saber que estava a acolher um vigarista cadastrado. Depois de saber que a vítima era proprietária de duas lojas no Entroncamento, o burlão fez-se passar por um agente imobiliário e inventou um esquema em que dois investidores espanhóis pretendiam comprar o prédio todo, por 600 mil euros. Ao longo de 10 meses, conseguiu apoderar-se de 242 mil euros, fugindo após ter sido descoberto.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Portugal

Portugal

“Só via bolas de fogo  por todo o lado”

“Só via bolas de fogo por todo o lado”

Celestina Costa, vendedora de peixe, foi apanhada pelas chamas na EN236 e abrigou-se na carrinha refrigerada. Depois ajudou outras pessoas que foram cercadas pelo fogo.

Portugal

PJ cerca bando dos mails

PJ cerca bando dos mails

Todos os envolvidos nas trocas de mails divulgados pelo FC Porto estão na mira da investigação da PJ e do DIAP: do lado do Benfica, da arbitragem e da Liga de Clubes.

pub