Sub-categorias

Notícia

Adultos com ‘ossos de vidro’ sem apoio

Associação alerta para necessidade de enquadramento legal.
Por Cláudia Machado|03.09.16
Adultos com ‘ossos de vidro’ sem apoio
Diagnóstico pode ser feito antes do parto ou nos primeiros anos de vida, que são os que tendem a concentrar mais fraturas Foto Getty Images
Rara e de origem genética, a Osteogénese Imperfeita (OI) tem muitas ‘faces’. São tantos os tipos e as formas que aquela que é conhecida como a doença dos ‘ossos de vidro’ pode tomar (ver infografia) que nem todas são reconhecíveis à primeira vista. Mas todos precisam de apoio especializado ao longo da vida, sendo esta uma das maiores falhas identificadas por doentes e famílias.

"Existem alguns centros na área pediátrica com larga experiência. Na transição da adolescência para a idade adulta, porém, os doentes ficam completamente perdidos", alerta Maria do Céu Barreiros, presidente da Associação Portuguesa de Osteogénese Imperfeita (APOI), lamentando "a falta de serviços de referência no nosso País para adultos com OI".

Apesar da designação complicada, a OI tem uma definição simples. "Significa formação do osso imperfeita", explica Fátima Godinho, médica reumatologista e vice-presidente da APOI. "Os ossos são mais fracos do que o habitual e partem-se mais facilmente. Há doentes que podem vir a ter 100 ou 200 fraturas ao longo da vida e outros apenas uma ou duas, não sendo sequer diagnosticados", acrescenta a especialista.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Sociedade

pub