Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
9
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Reduzir e reutilizar o plástico em Sintra

Os SMAS de Sintra adotaram o lema “A Economia Circular é um catalisador de boas práticas ambientais e de inovação”
8 de Novembro de 2019 às 15:39

Os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra têm como objetivo estratégico assegurar o envolvimento na promoção da sustentabilidade ambiental, rumo a um ciclo produtivo e à prestação de um serviço público mais sustentável, em toda a cadeia de valor, promovendo a reutilização dos recursos e dos materiais, contribuindo para a diminuição da pegada ecológica. Para que este objetivo tenha resultados tangíveis, há que atuar em duas frentes: tornar o sistema de deposição e recolha seletiva de resíduos mais eficaz e próximo das pessoas; e assertivamente convergir e inverter a tendência e reduzir a quantidade de resíduos produzidos.

A atuação dos SMAS de Sintra, na observância dos desafios de uma gestão e desenvolvimento sustentável da organização e do município, definiu estratégias e projetos no cumprimento de diretivas internacionais, comunitárias e nacionais com impute para o ciclo urbano da água, dos resíduos e para o uso eficiente dos recursos. O enfoque vai para a sensibilização, consciencialização e valorização do ambiente, para a mudança de atitudes e para a adoção de melhores práticas ambientais, objetivo a que os SMAS de Sintra se propõem no cumprimento da certificação em Sistema de Gestão Ambiental.

Copos de papel substituem os de plástico

Das boas práticas internas, os SMAS de Sintra salientam que foi implementado um sistema de deposição e recolha de resíduos seletivos (por piso) nos seus edifícios, otimizando e valorizando o encaminhamento a destino final para a reciclagem. Com a Resolução do Conselho de Ministros n.º 141/2018, documento que estabelece que "a transição para uma economia circular exige a promoção do uso eficiente de recursos", tornou-se imperativo a eliminação do uso dos plásticos descartáveis. Os SMAS de Sintra responderam a este desafio com a substituição de copos de plástico por copos de papel nos pontos de distribuição de água ao público, uma vez que internamente já se encontrava implementada uma estratégia de uso de materiais reutilizáveis. Na observância da estratégia para as Compras Públicas Ecológicas, foi privilegiado o foco na definição de critérios ecológicos na contratação de aquisição de bens, serviços ou a elaboração de projetos de execução de obras públicas.

Reduzir o uso de plásticos e considerar sempre o correto encaminhamento para valorização é o modelo aplicado para o desenvolvimento de uma economia e um ambiente sustentáveis.

Como entidade municipal responsável pela recolha e transporte de resíduos, os SMAS de Sintra têm seguido uma política de gestão direcionada para a melhoria da qualidade dos serviços prestados aos seus munícipes, assumindo que os resíduos recolhidos representam novos recursos e subsequentemente novos produtos. Anualmente, são recolhidas cerca de 3.000 toneladas de plástico no município de Sintra e transportadas para triagem em central de tratamento.

A atuação estratégica, para assegurar a eficiência e sustentabilidade do sistema de recolha e transporte de resíduos urbanos, substancia-se num investimento de 3 milhões de euros para o ano de 2020. Este investimento será feito em execução de obras e projetos de otimização dos circuitos de recolha, no redimensionamento e reformulação da contentorização, com recurso a soluções de ecopontos com contentores enterrados ou semienterrados, na construção da rede de Ecocentros Municipais e no desenvolvimento de projetos para incentivar e incrementar a eficiente gestão e reutilização de resíduos, reduzindo a produção, aumentando a recolha seletiva e a reciclagem. Uma decisão que viabiliza a operacionalização e a segurança nos métodos de recolha de resíduos mais eficientes, o que permite devolver aos munícipes um espaço com melhor ambiente urbano.

No contexto de tornar a economia circular, com o objetivo de contribuir para um ideal de desmaterialização, economia colaborativa e consumo sustentável, os SMAS de Sintra produzem conteúdos digitais para campanhas e ecodicas, encorajando os cidadãos a utilizarem os recursos de forma sustentável.

Projetos amigos do ambiente

Os SMAS de Sintra são corresponsáveis na política ambiental do município de Sintra e estão alinhados com a Estratégia Nacional de Educação Ambiental 2020 (ENEA 2020), designadamente do pilar "Tornar a Economia Circular", conceito estratégico que assenta na redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e energia. Por isso, promovem projetos e ações de educação e sensibilização ambiental, que contribuam para uma maior consciencialização dos cidadãos relativamente ao uso eficiente de recursos.

No contexto de o plástico ser o maior desafio ambiental e conscientes de que o problema não é o plástico, mas sim como o usamos, para 2019/2020, a entidade autárquica interage junto da comunidade escolar e do público em geral com as seguintes ações: "Tornar a Economia Circular - Reciclar e Reutilizar", uma ação formativa para reutilização e transformação de plástico e outros materiais (resíduos) em novos produtos.

E em parceria com a Câmara Municipal de Sintra, o projeto "O que Cai ao Chão Cai ao Mar", uma ação que compreende a pintura com este slogan nas sarjetas, que têm como função a recolha e o escoamento das águas pluviais, alertando para os resíduos que são lançados ao chão, tais como embalagens descartáveis, beatas de cigarro, copos de plástico, e que pela sua dimensão e leveza vão confluir no mar, contaminando-o e entrando na cadeia alimentar dos animais marinhos. A contaminação que pode chegar ao nível de microplásticos, passíveis de serem incluídos no ciclo urbano da água e de entrarem na cadeia alimentar, é ainda uma preocupação para a sobrevivência dos organismos responsáveis pela fotossíntese existentes nos mares. "Calcula-se que cerca de 60% do oxigénio que respiramos vem dessas águas."

Por um concelho, um país e um mundo mais verde e azul!