Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
1
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Sesimbra é a Côte d’Azur portuguesa

Será um eufemismo? Quem já passou por lá não tem como negar que vale a pena investir neste pequeno paraíso a apenas 35 quilómetros de Lisboa
25 de Julho de 2019 às 17:52
Fachada da agência de Santana, Sesimbra
Equipa de agentes imobiliários da Côte d'Azur
Fachada da agência em Azeitão
Fachada da agência de Santana, Sesimbra
Equipa de agentes imobiliários da Côte d'Azur
Fachada da agência em Azeitão
Fachada da agência de Santana, Sesimbra
Equipa de agentes imobiliários da Côte d'Azur
Fachada da agência em Azeitão

Portugueses, franceses, belgas e israelitas são quem mais investe na zona. As vantagens não se ficam pelas vistas e pelo bom-viver que podemos facilmente associar a Sesimbra. Falando numa ótica de negócio, quem decide fazer um investimento na zona tem duas garantias: os imóveis valorizam, tendo em conta que o mercado ainda está em crescimento, e há sempre margem para rentabilizar. Dos apartamentos ao pé da praia às moradias em zonas mais calmas, Sesimbra tem de tudo e para todos. 

Qual será, então, a altura certa para fazer um investimento? "Não há alturas, o mercado está sempre bom para investir", esclarece Rachid Timchara, sócio-gerente da imobiliária cujo nome não podia adequar-se melhor à zona, Côte d’Azur. Claramente, o título deste artigo não pode ser um eufemismo.

Criada em 2012 por um conjunto de profissionais altamente experientes no ramo imobiliário, dispostos a mudar a filosofia de abordagem no mercado, a Côte d’Azur diferencia-se pela versatilidade. O serviço é sempre completo e adaptado aos mais diferenciados tipos de cliente, seja ele um cliente comprador ou um cliente investidor.

Comprador de primeira ou segunda viagem

Para os clientes compradores, seja de primeira ou de segunda habitação, a Côte d’Azur oferece um serviço pós-venda e uma atenção redobrada nos conhecimentos linguísticos alargados, o que permite estabelecer relações estreitas com os clientes das mais variadas nacionalidades. Quem quer comprar tem acesso aos projetos exclusivos Côte d’Azur, construções em grande escala (neste momento são mais de 300 apartamentos e moradias), feitas pela empresa e pensadas para o cliente real, com áreas amplas e acabamentos de qualidade.

Pela proximidade e pelos valores praticados, Sesimbra e Azeitão "ficam a ganhar" em relação aos valores de mercado de Lisboa. Segundo o responsável da Côte d’Azur, um apartamento novo, com terraço e estacionamento, ronda os 2.000 e os 3.000€, por metro quadrado, na Vila de Santiago. Na freguesia do Castelo e em Azeitão, as moradias novas podem custar entre 1.700 e 2.400€/m2, ficando os apartamentos com valores entre os 1.400 e os 2.000€/m2.

Investir com segurança e garantias

Para o cliente investidor, a Côte d’Azur apresenta uma alargada carteira de possibilidades, com estudos de rentabilidade fidedignos, garantindo um investimento com segurança.

"Somos ainda das poucas empresas em Portugal que dispõem de um Departamento de Financiamento e Desinvestimento Bancário, com Licença de Intermediário de Crédito do Banco de Portugal n.º 0002014, que conta com uma dezena de colaboradores exclusivos para o tratamento de processos de crédito habitação e oferta aos nossos clientes de opções de desinvestimento bancário (imóveis da banca)", explica Rachid Timchara.

Os clientes têm ainda ao dispor um departamento de obras, que possibilita fazer a mais pequena remodelação ou construir "maravilhosas propriedades, idealizadas em conjunto" com a imobiliária. "Juntos, construímos sonhos", declara o sócio-gerente da Côte d’Azur, com uma afirmação que vai ao encontro do slogan da empresa: "O seu objetivo é o nosso desafio."

Bolha de mercado não existe em Sesimbra

"Os valores ainda só aumentaram 30 a 40%, desde 2010/2011 e não há muitos imóveis em simultâneo à venda", explica. Um imóvel demora cerca de três a seis meses a ser vendido na freguesia de Santiago. Nas restantes localizações, o prazo médio aumenta dos três até aos nove, "dependendo sempre do valor de venda, se não for muito acima do valor justo no mercado", acrescenta Rachid Timchara.

Planos para o futuro

A Côte d’Azur tem vários projetos em mãos, sendo que é a empresa com mais projetos em Sesimbra. Vai representar cerca de 300 frações, divididas em apartamentos novos de T0 a T4 na vila, um condomínio privado de moradias com vista para o mar e a um passo da praia, empreendimentos com apartamentos de T1 a T3 na freguesia do Castelo e moradias modernas na mesma zona.

Até agora, "a aposta tem sido a reabilitação, mas a construção nova, incluindo moradias na freguesia do Castelo, está a ganhar cada vez mais expressão no mercado", diz Rachid. Por isso, "existem muitos projetos em andamento na câmara", acrescenta o responsável da Côte d’Azur.

Consolidada no distrito de Setúbal e Grande Lisboa e com parcerias que resultam da presença assídua nos Salões de Imobiliário na Europa e no Médio Oriente, a Côte d’Azur espera agora denominar os restantes mercados onde estão inseridos. Para isso, conta duplicar o número de colaboradores no departamento comercial até ao final do ano de 2020 – neste momento são mais de uma centena –, de forma a acompanhar o crescimento do projeto.

Voltando à altura certa para investir em Sesimbra, se a pergunta estivesse deste lado, diríamos que o momento certo é: agora! E, já agora, investir na Côte d’Azur portuguesa só com a Côte d’Azur.